Xiquexique (Pilosocereus gounellei)

O Xiquexique (Pilosocereus gounellei) é um cacto endêmico do semi-árido brasileiro. Seu caule suculento tem uma consistência macia que reserva muita água e é protegido por espinhos fortes. Em secas prolongadas, serve como fonte de alimento tanto para o homem quanto para os animais de criação. É queimado para retirar os espinhos e oferecido ao gado como complemento ou muitas vezes como única fonte de alimento. Manuseado com cuidado, retirando-se espinhos (descascando), pode-se mascar a polpa e consumir a água lá reservada. Apesar de salobra, a água que conseguimos extrair é uma saída para os efeitos desagradáveis de um sol escaldante e pouquíssima umidade – experiência própria.
Os frutos são arredondados com polpa purpúrea e pequenas sementes pretas. Frutifica entre março e outubro, variando a época de acordo com a distribuição e intensidade de chuvas. De sabor adocicado, é um dos recursos de pássaros e muitos outros animais da caatinga, inclusive o homem.
Recomendo muito cuidado ao manejar, pois os espinhos que chegam alcançar aproximadamente 10 cm são agulhões afiadíssimos que ferem ao menor contato. Costumo usar um galho ou espeto para sustentar o ramo que estou descascando até que haja condições seguras para manuseio direto. Geralmente estão sob lajedos exigindo atenção ao caminhar nessas áreas, onde são comuns indivíduos jovens escondidos e camuflados em frestas. Encontramos também rosetas de espinhos que se soltam de plantas mortas e se espalham pelo lajedo. Pisar nesses espinhos é um grande problema, pois geralmente penetram fundo e quebram dificultando a remoção.

 

 

 

Gilberto Pinheiro da Rocha. Reside em Hidrolândia/CE – sertão semi-árido.

Prof. de geografia e história. Colaborador na ASPEN (Associação dos Praticantes de Esportes da Natureza) – Sobral/CE

 

 

9 comentários para “Xiquexique (Pilosocereus gounellei)

  1. 9 de agosto de 2013 at 14:31

    Garoto, por experiência própria posso dizer que o xique-xique pode aliviar a sede de quem se achar perdido. Sou trilheiro de bike e já passei sufoco depois da água que eu levava acabar. Provei a água do xique xique.

  2. Gilberto
    12 de agosto de 2013 at 14:11

    Obrigado pelo “garoto”, me sinto rejuvenescido rsrsrsr. Sim, de fato o xique xique é uma saída viável no semiárido. Também já recorri a ele!

  3. Lucas Andrade
    23 de janeiro de 2014 at 23:47

    Oi Gilberto, estou trabalhando com a decoração do meu restaurante e quero colocar um cactus xique-xique. O problema é que nunca vi um xique-xique, e mesmo depois de pesquisar no google, as imagens ficam misturadas com vários outros cactus. Para completar, a minha mãe e um amigo nosso, legítimo cearense que nasceu no sertão, dizem que esse cactus, no qual você publicou o artigo, é o mandacaru. Não estou aqui para duvidar do seu trabalho, até porque acredito realmente que este cactus do qual você comenta, é o xique-xique. Eu apenas queria saber se esse outro nome, o mandacaru, é outro tipo de cactus ou apenas um nome regional diferente, já que estou no litoral do Ceará.

  4. Gilberto
    27 de janeiro de 2014 at 11:42

    Oi Lucas Andrade. Bom, lamento dizer que sua mãe e o amigo estão confusos. A imagem do cacto dessa postagem é de um xiquexique mesmo! Essa cactácea não fica muito alta como o mandacaru e se apresenta em touceiras. Convivo diariamente com essa vegetação e apresento constantemente a meus alunos. Não há equívoco algum na imagem… lamento mais uma vez o ledo engano. Quanto a sua decoração, parabenizo pelo bom gosto, aprecio a rusticidade das cactáceas, caso possa ajudar em algo é só entrar em contato.

  5. Francisco Cordeiro
    2 de novembro de 2014 at 22:45

    Caro Lucas,
    É muito comum a confusão entre Xiquexique e Mandacarú. Ambos são símbolos do nosso maravilhoso semi árido. O Xiquexique , como disse o prefessor, tem caule cilíndrico e forma touceiras. Seus familiares devem conhecê-lo pelo nome Alastrado ; Ė um vegetal rasteiro. Por outro lado o mandacarú ė alto, pode chegar atė cinco metros, possui o caule com cornos , sendo conhecido em algumas regiòes do nordeste brasileiro por Cardeiro ou Jamacaru.
    Vocė pode ter os dois decorando seu restaurante. Acredito , que existam bonsais.
    Parabėns pela escolha. Sucesso!

  6. Arnaldo Diniz Lima
    22 de novembro de 2014 at 22:40

    Como nordestino nato (cearense) venho dar minha pequena contribuição e corroborar com o que o Professor Gilberto informou: a imagem realmente é de um xiquexique e como bem disse o Francisco Cordeiro, também é conhecido como Alastrado justamente por formar touceiras, ou seja, seus galhos se “alastram” mais horizontalmente e não se desenvolvem muito com relação a altura, diferente do Mandacarú.
    Podemos acrescentar nessa relação de cactos mais comuns utilizados para alimentação:
    Coroa-de-frade: cacto rasteiro e além de bonito para ornamentação fornece iguarias,como: doce, licor, suco, além de sua forma in natura;
    Facheiro: muito parecido com o Mandacarú, tendo como principal diferença o fato de ser mais ramificado, com ramos mais finos. Sua utilização vai além do fruto, pois sua madeira (leve e de fácil manuseio) também é bastante utilizada no nosso Sertão.
    Existem outros exemplares de cactos, digamos “domesticadas”, como a Palma que é muito usada para alimentar animais e também de forma medicinal, existindo plantações desse gênero.

  7. MICHELLE MELO SOBRINHO
    7 de março de 2016 at 16:54

    OLÁ GOSTARIA DE SABER DE QUE MANEIRA O XIQUE XIQUE DEVE SER CONSUMIDO PARA PESSOAS PORTADORAS DE DIABETES .
    DESDE JÁ AGRADEÇO E AGUARDO RESPOSTA.
    MICHELLE

  8. Fabiano Cesarino
    23 de setembro de 2016 at 13:39

    Olá Gilberto, tem como você conseguir sementes de xique xique. Sou pesquisador botânico e tenho interesse em espécies de suculentas.

  9. Daniel
    23 de fevereiro de 2017 at 17:52

    O xique xique queimado não causa nenhum problema pra ovelha comer?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing