Tiro esportivo de precisão – Acompanhamento (Follow-through)

O acompanhamento do tiro, ou follow-through, é a última etapa a ser executada no tiro de precisão. Após todos os fundamentos do tiro serem executados (posição, empunhadura, respiração, gatilho) você deve permanecer apontando a arma para o alvo por alguns segundos após o disparo. Isso evitará que seu cérebro se habitue a abaixar a arma imediatamente após o disparo de tal forma que, de tão habituado, você acabará por abaixar a arma uma fração de segundos antes do disparo terminar. Todos os fundamentos são importantes, sendo que a técnica de acompanhamento de tiro é melhor percebida em armas curtas, porém, deve ser executada também em armas longas.

Leia também:

4 comentários para “Tiro esportivo de precisão – Acompanhamento (Follow-through)

  1. Leonardo Cipriani
    14 de maio de 2012 at 17:35

    Deve-se fazer isso principalmente em carabinas de pressão, pois como a velocidade do projétil não é tão alta como uma arma de fogo, o projetil demora mais a sair do cano, entao vc pode errar o seu alvo.

  2. alexandre
    31 de maio de 2012 at 02:48

    Na verdade penso que a velocidade do chumbinho é muito alta… a exemplo, se pegarmos uma carabina que esteja com 260m/s aproximadametne, teremos uma velocidade de saída da boca do cano (VO) de 936.000 m/h, ou seja, 936 km/h… se falarmos dos declarados por muitos fabricantes 305m/s, daria uma VO de 1.098 KM/H…

    Visitando o “Museu do Expedicionário” em Curitiba/PR que, por sinal é um lugar muito legal, observei que poucas armas chegam ou ultrapassam essa velocidade… tá certo que eram armas antigas, da segunda guerra, porém penso que até hj poucas conseguem fazer isso..

    Mas seu raciocínio está parcialmente certo… o projétil demora mais p sair do cano na carabina de pressão após a puxada do gatilho, devido aos mecanismos existentes para liberação do ar da câmara que então vai impulsionar o chumbinho…

    Abraço!

    Alexandre

    • gasparello
      31 de maio de 2012 at 12:04

      Alexandre,

      Sua observação quanto à velocidade faz sentido e me fez pesquisar um pouco sobre o assunto (só um pouco!). Não sou expert em física nem em balística, mas penso que a influência do sistema de mola e pistão seja responsável não tanto pela demora, mas pelo movimento de recuo da arma antes do projétil sair. Nunca havia me preocupado com a velocidade com armas de fogo até esta sua postagem e fui dar uma olhada no site da CBC para ver se conseguia algumas informações. Uma diferença enorme entre um projétil disparado com propelente e com mola é a energia. Por exemplo, projéteis disparados por uma carabina CBC Nitro X tem a velocidade aproximada de 400 m/s e uma energia de 39 joules. Já um cartucho de calibre 22, dependendo do modelo terá uma velocidade de 315m/s, porém com uma energia de 93 Joules. Um projétil calibre 22 disparado por uma arma de fogo irá causar muito mais dano do que um projétil de mesmo calibre disparado por uma arma de pressão. Seria muito interessante algum físico explicar estes detalhes do porquê um projétil disparado com uma velocidade menor consegue mais energia. Por enquanto, valeu a curiosidade.

      Consegui as informações de cartucho 22 pelo link abaixo:
      http://www.cbc.com.br/municoes/index.php?acao3_cod0=6ea02b0f52d120e415a9c162890bc63f

      Sou fã do Museu do Expedicionário, ainda funciona?

      Gasparello

  3. iranio
    31 de julho de 2013 at 03:18

    deve ser por causa do peso do projetil calibres iguais peso diferentes

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing