Condução 4X4 (Técnica 4X4)

Resolvi escrever um pouco sobre condução de veículos 4X4 (para principiantes) porque tive muitas dúvidas quando entrei nesse mundo, e ainda estou em fase de aprendizado. Não sou do tipo que gosta de fazer trilhas nos finais de semana, mas frequentemente vou de carro em locais de difícil acesso, então, conhecer algumas técnicas de condução off road são muito importantes. Veremos neste artigo um pouco sobre sistemas de tração, pneus e técnicas de condução.

A primeira dica é: leia o manual do seu veículo! Geralmente, manuais de carros 4X4 dão informações seguras do que você pode e do que você não pode fazer com seu carro.

Tração part-time e full-time

Existe uma sopa de símbolos e definições sobre tração de veículos fora de estrada. Você pode encontrar:

  • Part time;
  • Full time;
  • Active trac;
  • Command trac;
  • Quadra trac;
  • Insta trac;
  • Etc.

Muitos fabricantes adotam alguma tecnologia que os diferencia, mas basicamente, temos os tipos de tração part time e full time, sendo que os outros sistemas sofrem alguma variação, mas são filhotes dos primeiros.

A maioria dos carros 4X4 tem um sistema part-time, ou seja, você só pode utilizar a tração 4X4 em algumas situações específicas, como lama, areia, neve e outras situações de baixa aderência. Este é o caso da maioria das caminhonetes (pick-ups) e de muitos outros automóveis como o famoso Troller, a lenda Jeep Willys, entre outros modelos. Trafegar por estradas de terra com chão batido costuma ser prejudicial a este sistema de tração, mas você pode usar a tração part-time em estradas cobertas com cascalho. Viajo muito com meu Troller por estradas de terra cascalhadas, mas tenho usado o sistema de tração somente durante chuvas muito fortes, que tornam a estrada mais escorregadia. Claro que aliviar o pé do acelerador é a coisa mais segura a se fazer em uma situação assim.

Alguns veículos trazem o sistema de tração full-time ou integral. Carros como o Suzuki Grand Vitara trafegam com a tração 4X4 de forma permanente, outros, como o Mitsubishi Pajero TR4 e o modelo top de linha da Pajero Dakar, podem ter a tração 4X4 acionada mesmo durante trajetos de asfalto. Isso, obviamente, aumenta o consumo, mas também dá maior segurança e estabilidade, principalmente em situações de chuva. Estes veículos que podem trafegar com a tração 4X4 mesmo no asfalto têm o chamado diferencial central. O funcionamento do diferencial não é tema deste artigo, mas se você não sabe o que é, vale-a-pena pesquisar a respeito.

Até agora falamos do sistema de tração 4X4 high, ou seja, o sistema não reduzido.

Quando usar a reduzida?

Quando precisamos de mais força, como rebocar outro veículo atolado, ou atravessar um trecho alagado e com muita lama, usamos a tração reduzida, ou low. Um jeep Troller tem o motor muito forte e não precisa lançar mão da tração reduzida na maioria das ocasiões, carros com motor menos parrudos usam mais este sistema.

Travessia de rios e córregos

Para atravessar regiões alagadas, rios e córregos, primeiro desça do carro e vá verificar o terreno a ser enfrentado. Verifique a profundidade, procure por grandes pedras ou troncos que possam frustrar sua passagem ou danificar o automóvel. Só então, geralmente com a tração reduzida e segunda marcha engatada (dependendo do motor de seu carro), entre na água devagar e imprima um ritmo constante. Fique atento às recomendações do fabricante para saber até que altura seu carro poderá submergir. Carros movidos a diesel tem maior facilidade para vencer terremos alagados. Geralmente é necessária uma preparação adicional para vedar respiros e partes elétricas. O snorkel tem sido um importante aliado para jipeiros inveterados.

Como vencer subidas e descidas muito fortes?

Subidas ou descidas muito íngremes podem requerer o uso da tração reduzida. No caso das subidas, você terá mais força para carregar o peso de seu carro morro acima, já nas descidas, você irá devagar e com pouco ou nenhum uso dos freios. Se o carro começar a derrapar em uma descida, um toque de leve no acelerador costuma endireitar as coisas.

Cuidado com a inclinação lateral do carro!

Muito cuidado com as travessias em que o carro irá se inclinar lateralmente, cada carro tem um limite de inclinação que se não for seguido, poderá tombar facilmente. Se você perceber que seu carro poderá capotar, direcione rapidamente as rodas para baixo e acelere para tentar sair desta situação o mais rápido possível. Geralmente é necessário um pouco de experiência e habilidade para sair de algumas situações, mas isso você só adquire com o tempo. Não se arrisque porque você acha que sabe. Já passei por situações desagradáveis por não ter aprendido com a experiência alheia!

Tipos de pneus

Cada tipo de terreno requer um tipo de pneu diferente. Estar com o veículo calçado corretamente ajuda muito a enfrentar os desafios de cada terreno. Para quem usa o veículo na areia, como praias ou dunas, os pneus normais ou mais lisos, com uma calibragem mais baixa, são mais indicados. Cuidado para não baixar demais a calibragem. Isto pode fazer com que seus pneus escapem das rodas (destalonamento). Aqui, mais uma vez, é necessário consultar o manual do seu veículo para saber a calibragem mínima.

Para enfrentar a lama, pneus do tipo mud terrain (pneus lameiros) são os mais indicados. Este pneus tem gomos mais generosos e espaçados, que fazem com que a lama seja expulsa da banda de rodagem, facilitando a aderência (grip). Em terrenos com lama muito pesada, algumas pessoas costumam colocar pneus do tipo frontiera, que são pneus parecidos com os usados por tratores. Os modelos frontiera vão muito bem para frente, mas não saem da lama de ré. Um primo jipeiro deu a dica de colocar estes pneus voltados em uma direção na parte dianteira e na direção oposta na parte traseira (na verdade, este primo deu muitas dicas que estão neste artigo!).

Não tenho experiência o suficiente para indicar se pneus mais finos ou mais largos são os melhores para lama, em tópicos de fóruns especializados, esta discussão é interminável e não é possível chegar a conclusão alguma.

Eu só tenho um carro, então prefiro pneus de uso misto. São péssimos para lama, já tive experiências muito ruins, mas na cidade eles privilegiam a segurança no asfalto e o menor consumo de combustível.

Como sair do atoleiro

Se você atolou e está sozinho, o melhor a se fazer é trilhar o caminho dos pneus com pedras de tamanhos variados. Talvez com as pedras você consiga sair desta situação sozinho. Uma ferramenta importante é a prancha de desatolagem, que pode facilitar sua saída de situações difíceis tanto da lama quanto da areia. Outra solução é usar os tapetes do carro, mas não funciona quando o terreno é uma sopa de lama. Na primeira foto que ilustra este artigo você irá perceber um objeto preto próximo ao pneu traseiro… é o meu tapete, que ficou sujo e não me tirou daquela situação (não tinha pedras disponíveis, saí rebocado por ajuda de uma caminhonete). Mas já vi no YouTube o vídeo com um carro saindo de um atolamento na areia com a técnica do tapete. Mais difícil é quando o jipe “senta” no chão. Já aconteceu isto comigo em uma curva de nível. Eu estava sozinho e sem ferramentas adequadas. Demorou um bocado até conseguir auxílio de um trator para me rebocar. Depois deste dia, comecei a carregar uma mini-pá, que nesta situação serviria para liberar os diferenciais que ficaram presos. Uma pá convencional é mais prática se você vai para uma trilha, a mini-pá só serve para quebrar um galho!

Outros equipamentos 4 X 4

Se você está iniciando no mundo 4X4, é interessante aprender sobre sistemas como o bloqueio de diferencial, o uso de guinchos, patescas e de outras ferramentas, como o macaco high-lift (é uma ferramenta perigosa, mas um tanto útil para quem atola sozinho). Aprenda os ângulos de entrada e saída e sobre as inclinações máximas de seu carro, mantenha as revisões em dia e boa lama!

Esta é um pouco de minha parca experiência em se tratando de técnicas off road.

Veja aqui alguns equipamentos interessantes para você carregar em seu carro para sair mais fácil de algumas situações embaraçosas.

Assista ao trailer do canal Tocandira e inscreva-se!

http://www.youtube.com/watch?v=eC2Qc7uketc

 

Leia também:

 

29 comentários para “Condução 4X4 (Técnica 4X4)

  1. magno
    1 de novembro de 2012 at 01:01

    cuidado offroad vicia rapidamente,gosto e andei bastante em trilhas mas de moto atualmente estou parado por vários motivos mas ainda volto a andar, quer saber não pesquise muito pode ser irreversível!.

  2. João R
    10 de setembro de 2013 at 15:13

    Olá, tenho uma Grand Sportage 2001, diesel, uso pneus michelan de uso misto, 80% asfalto, 20% terra. Moro no cerrado goiano, muito seco esta época, há um mês não consegui subir uma serra muito íngreme, mesmo com a reduzida ligada, muito pó e buracos, mas achei estranho, já fiquei preso em situações de pouca dificuldade. O q acha q pode estar errado? ou esse carro é assim mesmo?

    • Paulo Brandão
      26 de julho de 2015 at 11:16

      Dá uma olhada no seu sistema de roda livre, pode ser que esteja sem tração no eixo dianteiro

  3. Eduardo
    11 de dezembro de 2013 at 16:11

    Parabéns pelas dicas, bem interessante para quem, como eu, é iniciante nesta “arte”. Reforçaria só a idéia de sempre ler o manual antes de qualquer peripércia, já que lá tem informações fundamentais do veículo.

    Abraço

  4. Flavio
    7 de janeiro de 2014 at 20:49

    Boa tarde!!

    Excelentes dicas. Já fiquei muitas vezes atolado, mas nada que baixando a calibragem não tirasse o Buggy da areia. Estou pretendo comprar um Suzuki Jimny para andar na areia da praia de Saquarema e suas informações são muita válidas para iniciantes como eu. Atualmente tenho um Buggy, mas não tem comparação a foça de um 4×4 na areia.

    Forte abraço e parabéns pelo ótimo trabalho!

    Flavio Luiz

  5. Hilton Cristovão
    22 de fevereiro de 2014 at 13:05

    Prezado José Luciano e demais amigos que contribuíram com comentários.

    Comprei recentemente uma Pajero Dakar Diesel. Fui criticado por alguns amigos que diziam “eu não tenho paciência para ler o manual do carro”. Pois eu informo à todos que estou lendo todo o manual, e inclusive várias partes dele, eu releio novamente em outro dia. A seção do 4×4 eu já lí várias vezes. Considero importantíssimo a leitura e portanto, José Luciano, te parabenizo pela publicação e pela ênfase que você deu à leitura do manual.
    Um forte abraço.
    Hilton
    Vitória – ES

    • José Luciano Gasparello Filho
      23 de fevereiro de 2014 at 19:59

      Caro Hilton,

      Excelente viatura, já fiz uma viagem de 5.000km com uma diesel. Há sempre uma batalha entre os proprietários da Toyota SW4 e da Mitsubishi Pajero Dakar. Acho dois carros excelentes, mas gosto muito do sistema de tração das Pajero!

      Abraço

      Gasparello

  6. Danilo
    25 de fevereiro de 2014 at 13:19

    Gasparello, bom dia!

    Gostei muito das dicas. Acabei de comprar uma TR4 e estou iniciando no mundo 4X4… Moro em Salvador/BA. Estou doido para fazer uma viagem para Mangue Seco/BA pela praia…

    Abraço!

  7. Hilton Cristovão
    14 de março de 2014 at 01:03

    Prezado Gasparello

    Conforme você falou a disputa da preferência do público entre a Hilux SW4 e a Pajero Dakar é muito grande. Antes de comprar minha Pajero Dakar, passei dois anos pesquisando sobre qual carro 4×4 compraria, a dúvida final sempre recaia entre Mitsubishi e Toyota, e a minha preferência seria entre a Pajero Dakar e a Hilux SW4 (ambas com 7 lugares, câmbio automático e diesel). Conversei com muitas pessoas e lí muitos depoimentos na Internet. Ouvi várias vezes a frase de que quem compra uma Pajero é porque não teve 30 mil reais a mais para comprar uma Hilux SW4 equivalente. O que não era o meu caso. 98% das pessoas que compram uma Hilux SW4 nunca a colocaram em uma condição extrema (trilha, areal, etc). O que não é o caso de quem compra uma Pajero, pelo menos 1/3 já fizeram testes em atoleiros. Falam que a Hilux SW4 é mais resistente, mas como se pode afirmar isto se a maioria esmagadora só anda em asfalto? É muito fácil se encontrar no mercado Hilux SW4 com 8 e até 10 anos de uso sem um arranhão sequer, a minha com 1 mês de uso já têm dois arranhões provenientes de galhos de árvores em trilhas!! Por isso tudo, comprei uma Pajero e estou muitíssimo satisfeito!

    Silêncio interno na Pajero Dakar Diesel – É lógico que a minha Pajero com motor diesel não é nenhum Honda Civic com motor a gasolina, neste último modelo do Civic, se você estiver com o carro parado, só olhando para o conta-giros é que se fica sabendo que o motor está funcionando, tamanho é o silêncio interno. Mas a minha Pajero diesel é muito silenciosa internamente.

    Autorizadas Mitsubishi – Nesses fóruns a turma reclama muito das autorizadas MIT, a experiência que eu tive com a MIT aqui de Vitória (Hiro Motors) foi nota 10, todos os profissionais que me atenderam com as várias perguntas que eu tinha para fazer foram muito competentes nas explicações. Têm uma sala com poltronas confortáveis, WiFi, etc e um vidro de todo tamanho pelo qual se pode ver seu carro sendo consertado. A oficina é totalmente aberta aos clientes, eu entrei e fiquei ao lado do carro em boa parte do diagnóstico da tração 4×4. O antigo dono desta minha Pajero, provavelmente nunca passou o 4 LLc, assim dois interruptores sensores pararam de funcionar. Foram trocados e tudo funcionando!

    Consumo – Após 1 mês e meio rodando nas mais variadas condições, ou seja, com ou sem o ar-condicionado ligado, estrada de chão e de asfalto, subindo e descendo serra, trânsito durante a semana e estrada fim de semana a 120km/h, etc, rodei um total de 2528 km e gastei 303,54 litros de diesel, portanto consumo = 8,3 km/litro. Levando-se em conta que um Honda Civic câmbio automático consome 8,5 km/litro de gasolina, ou seja, a Pajero é muito mais barata no seu consumo.

    Na minha Pajero tudo funciona, eu tive a paciência de ler todo o manual, recomendação do Gasparello. A calibração da bússola funcionou, piloto automático, os 3 níveis de tração 4×4 funcionando, câmbio manual (Sports Mode). Baixei em meu Android o App da Mitsubishi, muito bom como consulta. E para finalizar informo a todos que vou ler o manual de novo!

    Gasparello, parabéns mais uma vez pelo blog. Estou lendo-o e assistindo os vídeos atentamente.

    Abraços para todos

    Hilton
    Vitória – ES

    • José Luciano Gasparello Filho
      14 de março de 2014 at 13:03

      Caro Hilton,

      Você está com o modelo de nova motorização? Estou querendo saber se é mais econômica. Meu record de consumo é 12km/l. Consegui este número sem ar condicionado e me arrastando por estradas sem movimento a 80km/h. O normal, sem pisar muito é conseguir entre 10 e 11 km/l. Queria saber se o modelo 2014 está melhor neste quesito de consumo.

  8. Hilton Cristovão
    14 de março de 2014 at 14:12

    Prezado Gasparello

    Minha Pajero Dakar 2010 Diesel câmbio Automático possui o motor com cilindrada 3.200 cm cúbicos e potência máxima 165 CV. Pelo que me consta ela é importada da Tailândia.

    Eu cheguei a conseguir 11 km/l numa enorme reta da rodovia pista dupla (Rodovia do Sol em Guarapari) andando a 110 km/l e ar-condicionado desligado, mas este número me foi fornecido pelo computador de bordo.

    O número que escrevi acima de 8,3 km/l eu calculei sempre enchendo o tanque e parando a bomba na segunda destravada. Eu considero o número de 8,3 km/l muito mais realístico, pois representa várias situações somadas.

    Abraços

    Hilton
    Vitória – ES

  9. Hilton Cristovão
    22 de março de 2014 at 13:42

    Caro Gasparello

    Sobre o consumo de minha Pajero Dakar 2010 Diesel câmbio Automático. Consegui 12,6 km/l marcados pelo computador de bordo, nas seguintes condições:
    – Piloto automático ligado e andando a 80 km/h.
    – Todos os vidros fechados.
    – Ar-condicionado desligado.
    – Na rodovia do Sol em Guarapari, andei uns 10 km sem morros (nem subida e nem descida).

    Depois eu abri os vidros e o consumo marcou 12,2 km/l.

    Eu ainda prefiro o número que escrevi acima de 8,3 km/l, eu calculei sempre enchendo o tanque e parando a bomba na segunda destravada. Eu considero o número de 8,3 km/l muito mais realístico, pois representa a média de várias situações somadas.

    Abraços

    Hilton
    Vitória – ES

  10. claudio
    31 de janeiro de 2015 at 00:05

    Olâ.
    Gostaria de tirar uma dúvida. Dirigindo em areia de praia com veículo 4×4 é melhor um automático ou um manual? Por favor, resposta para meu e-mail

  11. João Luiz
    24 de março de 2015 at 18:03

    Caro Gasparello,
    Parabéns pelo espaço dedicado ao off-road. Há carência de informações a respeito. Aproveito a oportunidade para saber se você já andou no novo Troller. Atualmente, uso uma picape Hilux para ir nos finais de semana a um sítio. Pego uns 25 quilômetros de estrada de terra, numa região serrana.
    Acha que valeria a pena trocar a Hilux por um Troller? A questão do espaço eu poderia resolver com uma carreta “fazendinha”…
    Abraços.

    • José Luciano Gasparello Filho
      25 de março de 2015 at 16:28

      Vai se arrepender muito se trocar um automóvel como o seu por uma Troller de acabamento medíocre. Não faça isso!

  12. Pedro Hernandes
    7 de maio de 2015 at 13:03

    Gasparello, parabéns pelo blog. Muito bom mesmo.
    Tenho uma pequena sugestão de correção ao texto: o Suzuki Jimny é um jipe tradicional, 4×4 part-time (não possui diferencial central), e também não é bom rodar com o 4×4 ligado em terreno de boa aderência.

  13. Jefferson Vieira
    24 de junho de 2015 at 17:55

    Gasparello,muito obrigado pelas dicas. Tenho somente 16 anos e já um sou apaixonado pelo mundo 4×4,normalmente nos fins de semana e em encontros de trilheiros acompanho meu pai em nossos obstáculos. Hoje utilizamos uma Pajero Tr4 2012 manual.

    Abraços

    Jefferson Vieira-João Pessoa-PB

  14. 25 de junho de 2015 at 00:44

    Gasparello, muito interessante e preciso o seu blog. Tenho Defender desde 2001 e agora estou em vias de comprar outro 4 x 4 mais confortável. Estou em dúvida entre a Pajero Full e a SW 4, ambas diesel e ano 2008. Preços semelhantes. Já li alguns Fóruns e discussões, todos ajudaram, mas, não dirimiu minha dúvida. Enquanto uns falam em confiabilidade e menor desvalorização com o passar do tempo (SW), outros falam em pacote tecnológico e itens de segurança (Full). E aí ?

    • José Luciano Gasparello Filho
      25 de junho de 2015 at 17:29

      Eu nunca dirigi uma SW4 para comparar. A questão é bem pessoal e, particularmente, meu desempate vai para o sistema de tração da Mitsubishi.É certo que esta marca realmente desvaloriza mais, só que comprando usado, você não vai sentir tanto. O ideal é que você dirija os dois modelos e veja qual você gosta mais! Tomar decisões dessas baseadas em opiniões de outras pessoas pode não te levar para o melhor caminho!

      Abraço

  15. JANCAR
    29 de janeiro de 2016 at 14:12

    Boa Tarde a todos

    Possuo um Jimny e segundo o manual, o 4X4 não pode ser engatado em asfalto, pois isso danifica o sistema.
    Exceto em caso de chuva extrema, em que se forma uma lamina d’agua sobre o asfalto, comprometendo a estabilidade.
    Mas em asfalto seco nunca.

    • José Luciano Gasparello Filho
      30 de janeiro de 2016 at 21:23

      Siga o manual do sei veículo. Existem veículos que o sistema de tração com diferencial central permite o uso do 4X4 mesmo em asfalto.

      • luiz gomes
        20 de novembro de 2016 at 18:34

        Caro José, apreciei muito suas dicas para um iniciante, como eu, e apenas no intuito de aprimorar as informações: O Jimny não tem diferencial central, por isso é que não se deve utilizar sua tração 4×4 em pisos com aderência satisfatória, sob risco de danificar elementos da transmissão.

        • Tocandira
          12 de dezembro de 2016 at 16:56

          Valeu pela dica!

    • JMCC
      20 de novembro de 2016 at 23:36

      NA VERDADE, NEM EM CHUVA PODE.
      ASFALTO E 4X4 PART TIME NAO COMBINAM EM HIPOTESE ALGUMA, A MENOS QUE SEJA PARA ANDAR SEMPRE EM LINHA RETA.

  16. 2 de setembro de 2016 at 02:51

    Excelente texto. Obrigado pelas dicas! Para mim que sou iniciante com veículos 4×4, o texto foi bem claro.

  17. Guilherme Augusto
    13 de dezembro de 2016 at 20:51

    Ola,oque vcs acha da mitsu outlander 2011 gt 3.0 v6 4×4,sera uma boa escolha?

  18. Luciano Benfica
    28 de dezembro de 2016 at 23:10

    Olá Gasparello, também tenho um Troller 2003/2004, muito conservado, com motor 2.8 MWM, com apenas 90.000Km rodados e nunca fiz trilhas e só uso ele para acampar e o uso cotidiano. Porém, li no manual que temos de ligar o 4×4 uma vez por mês ou a cada dois meses, não me lembro bem. Daí, como tem estrada de terra na volta de meu trabalho, as vezes ligo o 4×4 e venho andando a uns 40 Km por hora. A estrada é meio costelada e com buracos fortes, mas tem pouco cascalho. Será que isto, de vez em quando, estraga o carro. O que me aconselha. Obrigado…

  19. 17 de fevereiro de 2017 at 11:06

    Muito Bom Seu Conteudo Parabes

  20. Cirilo Nogueira
    17 de março de 2017 at 10:58

    Moro na cidade, mais constantemente (finais de semana) preciso pegar uma estrada de terra(20 km), que quando chove fica terrível barro e morros fortes, só um 4×4 para passar por ela, e também viajo para litoral e outros (viagens longas em asfalto) 3 a 4 vezes ao ano e bagagens. ESTAVA PRECISANDO DE UM VEÍCULO que ATENDESSE ESSAS NECESSIDADES. Sei que os veículos 4×4 possuem um preço mais elevado, e manutenção cara, por isso somente um usado cabe no meu orçamento que no momento é de até 35.000 no máximo. Qual seria a melhor opção 4×4 nesta faixa de preço? MANUTÊNÇÃO BARATA, ECONÔMICA, a DIESEL. E com bagageiro pra viagem.

    Pensei numa pick up : o inconveniente é que as estradinhas são estreitas e elas são grandes
    TOYOTA HILUX SR5
    FORD RANGER
    MITSUBICHI L200
    KIA

    os JEEPS normalmente não tem bagageiros e duros para viagens

    os tipo suzuki GRAN VITARA ou equivalentes, será que aguentam essas estradas?

    Cirilo
    Ubá – MG
    cirilole2@hotmail.com

    Grato

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing