Sobrevivendo com Bear Grylls

Quem acompanha meu trabalho sabe que não sou muito fã do Bear Grylls. Não sou um especialista em sobrevivência com treinamento militar como Grylls, apenas gosto de aprender sobre o assunto, e também acredito que Bear seja um sujeito de extrema competência. Mas, em minha opinião, ele mostra algumas técnicas de forma a arriscar-se demais, não demonstrando a realidade de auto-preservação e economia de energia, que poderá fazer a diferença entre a vida e a morte em uma situação real. Tá, tá, tá… sei que em alguns casos é necessário mover-se para conseguir resgate… mas será que é sempre necessário?

Faça um pequeno exercício e conte, em cada programa, quantas vezes ele se coloca em situações simuladas de perigo contra sua integridade física ou até mesmo contra sua vida. Acredito que ele faz isso com toda a segurança e planejamento e, devido ao sucesso do formato dinâmico de seus programas, misturando algumas técnicas com muita aventura, ele é o protagonista de sobrevivência mais requisitado pela Discovery Channel.

O cerne desta postagem é dizer que assisti e, vejam só, gostei do programa Sobrevivendo com Bear Grylls. Só assisti ao episódio Selva. O programa dramatiza três situações que realmente aconteceram, entrevistando os envolvidos. Bear aparece fazendo alguns comentários construtivos. No programa intitulado Selva, a história mais marcante são de dois amigos franceses que sobreviveram aproximadamente 50 dias na floresta da Guiana Francesa.

Ver como sobreviventes reais agiram e superaram o desafio até a chegada do resgate foi o melhor programa de sobrevivência que assisti até agora. Finalmente o Bear Grylls empresta sua imagem para apresentar um programa que pode agradar a gregos e troianos. Recomendo!

1 comentário para “Sobrevivendo com Bear Grylls

  1. Angelo
    8 de novembro de 2015 at 05:28

    Em outro post sobre o mesmo Bear Grylls, inclusive mais recente, não pude responder pois os comentários estavam desligados. É que concordo com o posicionamento e com a maioria das respostas, mas percebi que, no man versus wild, o protagonista é um militar e o seu treinamento visa a abandonar um lugar o mais rápido possível. Mas ele carrega o vício de alguém que tenta deixar um lugar militarmente hostil. Esse é o seu treinamento, por isso simula não querer perder tempo escolhendo caça ou qualquer alimento. Essa característica, propositalmente ou não, foi levada ao programa. Então penso que esse seja o mote do cara estar largado na selva, no caso dele. Algo parecido com O Fugitivo, mas de maneira simulada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing