Isca Artificial – Colher

Muito conhecida dos pescadores mais antigos, principalmente por aqueles que praticaram a “pesca de corrico” (que é aquela modalidade em que a isca é arrastada pelo barco), a colher já foi muito popular. Talvez pela variedade de modelos de iscas artificiais disponíveis no mercado, ou pelo desempenho de alguns desses modelos, ou ainda pelo fato de não conhecerem a forma correta de trabalhar uma colher, ela acabou ficando um pouco esquecida por alguns pescadores mais jovens.

Os fatores para a escolha de uma isca artificial são muitos. A temperatura e coloração da água, qual peixe queremos pescar, profundidade de ataque, correnteza, vento, enfim, qualquer fator que influencie a apresentação da isca ao predador, desde a cor da isca até condições climáticas que possam atrapalhar o uso de determinadas iscas. Cada pescador tem suas próprias técnicas e preferências para a escolha de qual isca artificial usar em cada momento.

Pelo fato da colher geralmente ser feita de metal, pode se dizer que é indestrutível, sendo comum alguns pescadores possuírem colheres de 20 ou 30 anos em perfeitas condições. Outros modelos de iscas artificiais são feitos de plástico, resina ou madeira, tendo um tempo de vida útil muito menor, seja pela ação dos dentes dos predadores, exposição ao sol, etc… refletindo no bolso do pescador.  Atualmente existem modelos de colheres que possuem um sistema anti-enrosco, possibilitando arremessos em locais impossíveis de trabalhar outros modelos de iscas artificiais que fatalmente ficariam presas em vegetação aquática, ou galhadas, ou pedras, etc…
Por se tratar de uma isca que atinge uma variedade muito grande de predadores, incluindo o dourado, a cachorra, a traíra, o tucunaré, a piranha e etc… é altamente recomendado o uso do “castor” ou “empate”(Pedaço de arame, de preferência flexível) podendo ainda usar um girador, desde que não seja muito pesado, para não desbalancear a isca. Ao contrário do que muitos pensam, a colher não deve girar. Por isso em locais em que a correnteza é muito forte o trabalho da colher fica impossível. Se ao recolher a isca o pescador perceber a linha toda torcida, é sinal que a colher está girando, isso não é desejado, diminua a velocidade de recolhimento.

Uma dica que pode ajudar quem está começando a utilizar a colher é a de um arremesso curto para que possa ver a isca, recolha até achar a velocidade ideal em que a isca fique indo de um lado para o outro “sem girar”. Esse é um detalhe que faz toda diferença entre o sucesso e o fracasso dessa modalidade.

Com a prática, o pescador controla até a profundidade em que a isca vai trabalhar, através de pausas que fazem a isca afundar e recolhimentos mais lentos ou mais rápidos.
A traíra é um peixe que costuma atacar a colher, sendo a cor prateada a preferida. O sistema anti-enrosco é indispensável pois possibilita arremessos em locais “sujos”(vegetação) que as traíras adoram.

Na escolha do tamanho da colher, tente imaginar qual é o alimento natural do predador almejado, no caso da traíra utilize uma isca que seja do tamanho de um lambari.
Na prática a colher não tem os mesmos resultados das tradicionais “plugs” de meia-água, fundo ou superfície, mas em algumas situações a colher será um recurso para acessar pontos de pesca que as demais iscas não teriam sucesso.

 

Eduardo Vichenoss é pescador esportivo adepto do pesque e solte, praticante de acampamento selvagem, admirador e praticante de técnicas utilizadas pelos valorosos mateiros brasileiros. 

Conheça o canal do Carlos no YouTube: http://www.youtube.com/vichenoss

Leia também:

  • A importância do nó na pescaria – Nó Único;
  • Pesca embarcada poitada;
  • Faca Tramontina Fish 26056/108;
  • Faca Tramontina Fish 26053/106 (para filetagem);
  • Visite a seção de pesca;
  • Inscreva-se no canal Tocandira do YouTube.
  •  

     

    Tags: , , ,

    2 Responses to Isca Artificial – Colher

    1. Isca Artificial on 30 de agosto de 2012 at 11:51 AM

      Ótimo artigo!! Parabens e me ajudou a tirar várias dúvidas!! Obrigado e continue com o bom trabalho

    2. gustavo hennig on 21 de setembro de 2013 at 4:12 PM

      ola quanto custa uma dessas iscas artificiais colher

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

    *