Métodos de orientação sem bússola

Este artigo tem como objetivo mostrar como se orientar sem bússola pelos métodos mais populares:  orientação pela sombra, orientação pelo relógio e orientação pelas estrelas. É importante salientar que todos os métodos produzem resultados aproximados, servindo para que você não ande em círculos.

 

Antes de prosseguirmos, é importante salientar que, ao contrário do que os programas de sobrevivência na TV mostram, na maioria das vezes é melhor permanecer aonde está, para evitar de gastar energia, de andar em círculos, e de dificultar o resgate por equipes especializadas caso decida pelo deslocamento. Se ficar perdido em uma situação de sobrevivência real, mantenha a calma e mensure muito bem os prós e os contras antes de tomar a decisão pelo deslocamento. Quando perdido, evite ser tomado pelo desespero, o que fará que você ande ou corra sem uma direção correta, prejudicando ainda mais sua situação. A diferença entre a vida e a morte é o seu preparo. Mantendo a calma, você poderá tomar as melhores decisões para a sua sobrevivência. Para quem gosta de mato, as dicas abaixo são imprescindíveis. Não deixe de ler, aprender e praticar.

Um pouco sobre os pontos cardeais

Abra seus braços de modo que o seu braço direito aponte para o local aonde o sol nasce, no leste, e o seu braço esquerdo para aonde o sol se põe, a oeste. À sua frente estará o norte e às suas costas, o sul. Vide figura abaixo:

Foto do livro: LEMOS, Francisco. Aventuras ao ar livre: guia para desbravadores. 2.ed. Tatuí-SP: Casa Publicadora Brasileira, 2005

Como se orientar sem bússola

De um modo geral, em casos de emergência, pretendemos apenas andar na mesma direção para evitar trajetos em círculos. Não se engane, sem um ponto de referência, você acabará andando em círculos. Podemos procurar por alguns pontos de referência que indiquem a direção a seguir: o curso de um rio, uma trilha feita por humanos ou animais, por linhas de alta tensão ou qualquer coisa que indique civilização. Sem uma bússola podemos utilizar alguns dos métodos a seguir para nos orientar.

Método da sombra

Crave uma vara no chão. Quanto maior a vara, mais rápido poderá definir as direções a seguir. Marque o ponto inicial aonde fica a sombra da ponta da vara. Espere alguns minutos e marque o segundo ponto. Em qualquer lugar do mundo e a qualquer hora do dia, a primeira marca fica sempre a oeste e a segunda marca fica sempre para leste. Após traçar uma linha reta entre os pontos leste-oeste, basta traçar uma linha perperdicular à linha anterior, que indicará, aproximadamente, a direção norte-sul.

 

Foto do livro: The U.S. Armed Forces Survival Manual, by John Boswell, 1980, tradução de Loureiro Cadete, Edição Eletrônica de Pedro J.B. Nunes.

No mato fechado, cheio de árvores, você até consegue determinar os pontos cardeais, mas é muito difícil ter um ponto de referência para seguir longas distâncias com este método. Da mesma forma, subir em árvores no mato para tentar identificar pontos de referência poderá ser, na maioria das vezes, perigoso e improdutivo.

Você pode cravar seu facão no chão caso não encontre uma vara de tamanho adequado, de preferência, crave o facão em um local mais alto, para o método ser mais rápido, como, por exemplo, um cupinzeiro.

 

Utilizando a sombra do facão para determinar as direções.

Método do relógio

Este método varia de acordo com sua localização no mundo. Abaixo da linha do Equador, você deverá apontar o mostrador das 12 horas para o sol. A bissetriz do ângulo formado entre o mostrador das 12 horas e o ponteiro das horas é, aproximadamente, aonde fica o norte. Note que você deverá realizar a bissetriz  com o menor ângulo formado entre o ponteiro das horas e o mostrador das 12 horas. Este método pode ser útil em pequenos deslocamentos de até uma hora, em deslocamentos maiores, você poderá andar em círculos. Para trajetos muito grandes, procure o método da vara ou refaça o método do relógio aproximadamente a cada uma hora. No caso de usar um relógio digital, o problema poderá ser resolvido desenhando um relógio no chão. No caso do horário de verão, dê os devidos descontos para o horário normal.

Foto do livro: The U.S. Armed Forces Survival Manual, by John Boswell, 1980, tradução de Loureiro Cadete, Edição Eletrônica de Pedro J.B. Nunes.

Acima da linha do Equador, você deverá colocar o ponteiro das horas na direção do sol, realizando a bissetriz entre o ponteiro das horas e a marca das 12 horas.

Dependendo a hora do dia, é um pouco difícil apontar com precisão para o sol e definir o norte satisfatoriamente, principalmente durante as horas próximas ao meio-dia. Pratique este método utilizando uma bússola verdadeira como base.

Este método traz resultados aproximados, podendo sofrer variações dependendo a época do ano.

Exemplo real de orientação com o relógio.

Orientação pelas estrelas

Para ambientes abertos, à noite, você poderá aprender a se orientar pelas estrelas. No meio do mato, evite a qualquer custo se deslocar à noite.

No hemisfério sul, você poderá facilmente ter uma ideia aproximada de onde fica o sul. Para tanto, encontre a constelação Cruzeiro do Sul. Este grupo de quatro estrelas tem a forma de uma cruz, daí deriva o seu nome. As duas estrelas que formam o eixo maior são chamadas de pontas. Trace uma reta imaginária entre as duas pontas e a prolongue na direção do chão, quatro vezes e meia a distância que separa das duas pontas (conforme a figura abaixo).

Foto do livro: The U.S. Armed Forces Survival Manual, by John Boswell, 1980, tradução de Loureiro Cadete, Edição Eletrônica de Pedro J.B. Nunes.

Você obterá, desta forma, aproximadamente a direção sul. Conseguindo descobrir uma direção, conseguirá em seguida todos as outras. Se for uma noite enluarada, talvez você consiga enxergar um ponto de referência para prosseguir sua jornada.

Se você gosta de atividades ao ar livre, nunca deixe de carregar uma bússola. Também pratique estes métodos de navegação mostrados neste artigo. Você só saberá o quão importante estes métodos são se precisar deles em uma situação real.

Esteja preparado!

Este texto é fruto de um árduo trabalho e envolve a experiência e o conhecimento do autor. Ninguém está autorizado a copiar ou reproduzi-lo em sua totalidade ou qualquer trecho. Se você gostou do artigo, o compartilhamento de links pelas redes sociais apontando para a fonte original é permitido e encorajado.

Leia também:

Assista ao vídeo para ver os métodos em ação:

Leia também:

16 comentários para “Métodos de orientação sem bússola

  1. Ivan Scarola
    19 de março de 2013 at 00:31

    Recentemente fiz um curso de Arrais Amador e alguns desses métodos também foram abordados em navegação marítima. Parabéns, muito bem explicado.

  2. Siqueira
    26 de março de 2013 at 03:54

    Muitíssimo interessante! Valeu!

  3. Victor
    2 de abril de 2013 at 15:37

    Conheço todas essas, muito bem explicado! Parabéns

  4. Chiquinho
    21 de maio de 2013 at 01:59

    Parabens. É de muito valor suas instruções.

  5. samuel
    9 de julho de 2013 at 19:48

    parabéns..já precisei fazer uso de um desses métodos e realmente funcionam.

  6. Paulo Cesar
    7 de setembro de 2013 at 22:37

    Muito bom !!! As explicações,fotos e desenhos estão excelentes !!!
    Valeu,saúde paz … abraços

  7. silvio machado
    30 de outubro de 2013 at 19:54

    Excelente a metodologia. Esses conhecimentos sempre estiveram por ai, espalhados pela internet, mas a maneira como foi disposto e aliado com a experiência e didática do Gasparello, tornou a apreensão bem mais agradável. Virei seguidor e vou recomendar. Obrigado e Parabéns.

    • 31 de outubro de 2013 at 07:40

      Caro Sílvio,

      Obrigado por acompanhar meu trabalho frente ao Tocandira!

      Gasparello

  8. 6 de dezembro de 2013 at 04:18

    boa noite amigo gostei muito das explicações pois sou muito leigo no quesito bússola ou qualquer outro tipo de navegação.

  9. Olinto
    6 de dezembro de 2013 at 23:22

    Amigo seu trabalho é maravilhoso e sua didática é 10. Parabéns

  10. Eder
    19 de janeiro de 2014 at 01:46

    Muito bom, sempre gostei desse tipo de coisa, vou praticar na fazenda do meu tio, ja que conheço tudo lá não vou me perder.

  11. RogerioFlavio
    23 de março de 2014 at 13:59

    Sou Desbravador há mais de 25 anos e sempre amei a natureza, obrigado pelas dicas de orientação.
    Deus te abençoe. Abraços

  12. Geraldo
    15 de janeiro de 2015 at 11:13

    Parabéns pelo seu trabalho, sou bombeiro militar e temos treinamento básico para nos orientar quando estamos em operação tanto na busca de pessoas ou incêndios florestais. Ótima abordagem do assunto. Mas faço de suas recomendações, as minhas. Não se deve tentar uma aventura para testar algum conhecimento, pois pode-se entrar em uma situação real de sobrevivência desnecessária. Mais uma vez parabéns pelo seu trabalho.

    • José Luciano Gasparello Filho
      23 de janeiro de 2015 at 17:01

      Grato pela participação Geraldo!

  13. antonio gomes
    2 de agosto de 2016 at 12:21

    Muito bom o seu trabalho, você está de parabéns. Perfeita a explicação. Mesmo que a pessoa que ver o seu trabalho for leigo no assunto, entenderá perfeitamente.

  14. Débora
    18 de novembro de 2017 at 20:58

    Gostei, oi muito útil para minha pesquisa obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing