Lobeira

Há muito tempo queria saber se o fruto da lobeira, uma planta muito comum no cerrado, era comestível. Não havia encontrado muito na Internet que me incentivasse a ingerí-la, mas sabia que a planta era consumida por alguns animais e usada como planta medicinal. O fruto da lobeira participa de pelo menos 50% da dieta do lobo-guará e também é muito apreciado por bovinos e suínos. Resolvi arriscar e provar. Não incentivo que você saia por aí comendo plantas desconhecidas, mas quis assumir o risco de prová-la. Com algumas pesquisas, fiquei sabendo que o fruto da lobeira é utilizado (sem comprovação científica) no combate à diabetes. Também descobri que existem algumas experiências no sentido de consumir o fruto em forma de geleia. O fruto verde contém grandes concentrações de tanino e solanina e possui um gosto muito amargo que permanece na boca por muito tempo, além de provocar alterações gastrointestinais. O fruto que está no pé é bem duro e não deverá ser consumido em hipótese alguma. A melhor forma de provar é coletando os frutos que estão no chão. Os frutos maduros são mais macios. Diferente dos frutos verdes, quando maduro, o fruto da lobeira tem um aroma bem agradável e um sabor agridoce. Em uma situação de sobrevivência, eu comeria os frutos maduros, porém, sem excessos.

Saliento que o consumo humano da fruta-do-lobo é controverso. Provar plantas sem conhecimento é perigoso e desaconselhável. Assumi o risco ao fazer isto e não incentivo ninguém a fazê-lo.

Conheça outras plantas comestíveis.

16 comentários para “Lobeira

  1. Robson Santos
    24 de agosto de 2012 at 20:47

    Aqui aonde faço minhas trilhas a 8 km da minha casa tem alguns pés da mesma !
    Por diversas vezes fiquei tentado a provar a polpa dela, mas sempre desisti justamente por causa dessa controvérsia que você detalha no texto Gasparello.
    Uma vez trouxe algumas para casa e as cozi, mas ficaram muito amargas.
    Você tem ideia de quantas gramas você comeu ? Sentiu alguma reação adversa ?

    • José Luciano Gasparello Filho
      24 de agosto de 2012 at 20:50

      Provei meia-dúzia de pequenas porções da polpa. O fruto que experimentei dava para marcar com os dedos. Estava duro ainda, mas era possível apertá-lo. Li alguns relatos de pessoas que comeram muito verde e o gosto amarrava na boca e na garganta por muito tempo, além de provocar diarréia.

      Eu não senti nada, deu vontade de comer mais. Só não continuei comendo justamente por ser um fruto de consumo controverso. Fiquei bem depois de comer. Mas não exagerei na quantidade.

  2. Robson Santos
    24 de agosto de 2012 at 21:05

    A próxima vez que encontrar a lobeira vou arriscar e ingerir meio fruto em intervalos regulares. Caso não se manifeste reações comerei um fruto inteiro, caso eu consigo suportar o amargo !

    Parabéns pelo artigo e pelo vídeo !

    • José Luciano Gasparello Filho
      24 de agosto de 2012 at 21:12

      Robson,

      Não incentivo a comer a metade, acho que um pouco de exagero para iniciar. E se for amargo não coma nem um pedaço. O fruto maduro é doce e de sabor agradável.

      Gasparello

  3. Robson Santos
    24 de agosto de 2012 at 21:35

    Mas por isso que pensei em meio fruto divido em 4 pedaços e ingeridos em intervalos regulares a cada 6h. Se em qualquer período sentir algo paro imediatamente o consumo.
    Irei experimentar apenas os que eu encontrar no solo como você explicou e serão ingeridos em casa para diminuir os risco.
    Lembro que os que eu cozi peguei da árvore e não do solo.

  4. Gasparello
    25 de agosto de 2012 at 13:28

    Continuo não incentivando o uso. Mesmo assim, se você quiser provar por sua conta e risco, use porções bem menores. Divida em 4, DESCARTE 3 pedaços e, a quarta parte que sobrar, aí sim, divida mais ainda e tente consumir em intervalos regulares de 12 horas. Lembro que não existem muitos estudos sobre o fruto e que pode ser perigoso ingerí-la EM QUALQUER QUANTIDADE.

    Minha intenção é mostrar uma alternativa para o consumo exclusivamente em UMA SITUAÇÃO DE SOBREVIVÊNCIA EXTREMA E REAL.

    Abraço

  5. Rogério Costa
    25 de agosto de 2012 at 16:34

    A lobeira ou o fruto de alguns tipos de cactos, em caso de emergência pode-se utilizar de forma criteriosa, quem tem a oportunidade de sempre estar se aventurando por ai, e tem a curiosidade de saber se este ou outro fruto que NÃO SEJA CABELUDO E NEM LEITOSO, deve ter o cuidado de não fazer esta experiência no local longe da civilização, mesmo a poucos quilometros, principalmente se estiver só… procure os mais maduros…. e tenha a possibilidade de ter algum antialérgico em casa… se houver alguma reação adversa, como vermelhidão no corpo, mau estar, vômitos ou engasgos (por ser o inicio de um fechamento de glote), procure um médico imediatamente, e se tiver um xarope POLARAMINE pode tomar o vidro, se não já era…. nos temos grandes professores da natureza que são os indios e os moradores mais antigos como os moradores de alguns quilombos…. próximo ao DF e a chapada dos veadeiros, temos comunidades em Cavalcante-GO….

    • José Luciano Gasparello Filho
      25 de agosto de 2012 at 16:52

      Agradeço a contribuição!

  6. Guilherme Heráclito
    26 de agosto de 2012 at 23:42

    Aqui na região é muito comum, já havia provado mas o fruto tava meio verde, tava muito amargo como ja sabia q não é saudáve consumi- la nunca mais arrisquei. Acho q o consumo deve ficar so para situações extremas, mesmo assim tem q se avaliar muito bem os riscos pois se vc ja estiver fraco, com fome ou um pouco desidratado, tudo q vc não quer é uma reação alérgica, vômito ou uma diarréia. Valeu pela dica.

  7. 25 de setembro de 2012 at 00:00

    Adquiri a lobeira de um site pharmaciamelissa@pharmaciamelissa.com.br

    e estou usando como medicamento que segundo informações reduz as taxas no sangue e até faz o pancreas voltar a produzir insulina nos casos de diabetes.
    Gostaria de comentários a respeito e se alguém já fez uso e se os resultados foram benéficos, ou seja, eficazes.
    Abraço a todos…
    Walnei

  8. Alexandre
    11 de janeiro de 2013 at 21:07

    Amigos! já comi a lobeira, na época comi a metade de uma e não houve nenhuma reação, só recomendo tirar bem a casca, como já foi dito o sabor é adocicado e com um aroma bem agradável, é uma fruta bem comum no cerrado, o mais dificil é encontrar uma fruta madura.

    • José Luciano Gasparello Filho
      12 de janeiro de 2013 at 12:23

      O ideal é coletar os frutos do chão. Se o sabor não for agradável, é porquê o fruto ainda não está maduro. Neste caso, devido à grande concentração de tanino, não é indicado a ingestão. Recentemente, ganhei um livro da Embrapa que mostra receitas de doces feitos a partir dos frutos da lobeira.

  9. Grazi faria
    27 de março de 2013 at 17:41

    Só prá confirmar a lobeira não é uma das maiores responsáveis por morte de gado? Como pode ser consumida por humanos?

    • José Luciano Gasparello Filho
      27 de março de 2013 at 17:48

      Era considerada praga de pastagens, hoje o crescimento das lobeiras nos pastos é tolerado. Aonde filmo, é comum ver o gado com os frutos inteiros na boca. O fruto da lobeira faz parte de 50% da dieta do lobo-guará.

      O fruto da lobeira, inclusive, já foi utilizado em pelo menos um livro da Embrapa sobre aproveitamente alimentar.

  10. 20 de agosto de 2013 at 16:07

    Eu já comi e nada aconteceu, o fruto não é venenoso. Quanto o que a Grazi Faria disse a respeito da morte do gado, não é porque o fruto é tóxico, mas sim, porque o gado engasga com ele e morre sufocado!!!

  11. Sergio Alvarenga
    27 de outubro de 2014 at 18:43

    Gasparello,

    Sobre o assunto encontrei esse site: http://www.biologo.com.br/plantas/cerrado/lobeira.html

    Um abraço,

    Sérgio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing