Largados e Pelados – Uma Nova Visão

Um tempo depois da estreia de Largados e Pelados, na Discovery Channel, me recusei a assistir qualquer episódio por imaginar que o programa iria explorar a manjada fórmula de sobrevivência por intermédio da nudez dos participantes. Não há puritanismo de minha parte, mas já andava farto de programas mostrando sempre mais do mesmo.

Com o lançamento do show na TV a cabo brasileira, fiz um texto com um tom indignado falando de um programa de sobrevivência que seria igual a todos os outros, mas sem o uso de roupas, contudo, foram muitos os comentários positivos das pessoas que já haviam assistido, alertando-me que não era mais do mesmo. Por intermédio dos comentários na postagem que havia realizado, resolvi prestigiar alguns episódios. Já assisti meia-dúzia deles, talvez um pouco mais. Já aprendi, de cara, a não julgar algo sem conhecer.

O programa é um pouco mais interessante do que eu poderia imaginar, porque mostra as dificuldades de pessoas com algum grau de conhecimento em técnicas de sobrevivência passando por dificuldades reais durante 21 dias em algum lugar inóspito. Um homem e uma mulher são deixados sem roupas, somente com uma filmadora para cada um e algum item que puderam levar para auxiliar em sua sobrevivência. Eles não ficam completamente sozinhos, mas com uma equipe de filmagem e de apoio. Médicos se fazem presentes em vários episódios.

No início do programa são mostradas as notas relacionadas à aptidão em sobrevivência dos participantes, atribuídas por especialistas. Caso permaneçam até o fim do desafio, uma nova nota é calculada.

O mais interessante é ver a dificuldade de indivíduos sem equipamentos adequados, alguns até mesmo intitulados de professores de sobrevivência. Sem equipamentos adequados, muitas técnicas para sobreviver por um longo período não podem ser aplicadas de maneira eficiente.

Na maioria dos episódios que assisti, em algum momento, as mulheres se mostraram mais fortes em relação ao sofrimento físico imposto pela natureza. Muitos homens gostam de mostrar dominância e acabam por tornar-se arrogantes, mas o meio-ambiente inóspito acaba transformando o soldado mais durão em uma criatura frágil. É interessante salientar que geralmente as notas recalculadas das mulheres participantes são mais baixas, mesmo que na maioria dos episódios que assisti elas tenham suportado com mais bravura as privações impostas pela natureza.

Outro ponto que percebe-se no decorrer de vários episódios é a dificuldade de encontrar comida, deixando os participantes na quase completa inanição, porém, vivos. Prova-se com este programa que a comida não deveria nunca ser a primeira preocupação na lista de prioridades de um sobrevivente. Buscar alguma forma de proteção contra o frio e água são essenciais, uma vez que hipotermia e a desidratação podem levar o ser humano à morte mais rapidamente do que a fome.

Poucas técnicas são mostradas, mesmo porque, sem equipamentos adequados, a sobrevivência do ser humano fica muito comprometida. Em minha opinião, é mais uma prova de resistência da máquina humana.

A parte mais interessante é ver ditos especialistas se transformarem em pessoas comuns devido à falta de equipamentos. Algo que sempre vai contra estes desafios de sobrevivência é saber que se algo der errado, você terá atendimento médico, transporte e outros tipos de socorro, como acontece frequentemente em Largados e Pelados. Os participantes podem desistir a qualquer momento, chamando a equipe de apoio.

A psicologia durante os momentos de dificuldade só poderá ser colocada efetivamente à prova em situações reais, nunca em cursos ou em simulações de qualquer tipo, seja com equipamentos apropriados ou Largados e Pelados!

Por mostrar pessoas passando por dificuldades reais, sem roteiro, como acontece que quase todos os outros programas do gênero, e por mostrar como os seres humanos se comportam em relação ao frio, à sede, e à inanição, vale muito a pena assistir alguns episódios!

Leia minha crítica inicial aqui: Largados e Pelados.

Leia também:

 

 

 

8 comentários para “Largados e Pelados – Uma Nova Visão

  1. Ysrael
    6 de julho de 2014 at 14:30

    Mas mostra a nudez deles sem censura? Se não prefiro continuar com o Bear Grills mesmo

  2. Tiago Gustavo
    6 de julho de 2014 at 15:12

    Cara!!
    tu perdeu vários “pontos” comigo!!

    Já notou o tamanho da tua arrogância ao pensar que não poderia aprender nada com um programa de TV com “fórmula manjada”? mesmo o mais manjado, mais roteirizado, sempre vai ter alguma coisa pra ensinar, nem que seja como não fazer alguma coisa(como é o exemplo do Bear Grylls, que -a meu ver- se arisca de mais para uma situação de sobrevivência).

    Mesmo já tendo visto vários episódios de quase todos esse programas e sabendo que grande parte das coisas mostrados são pra “TV ver”, ainda acho que vale a pena assistir e mesmo repetir alguns deles.

    Mas essa é a minha opinião, cada um pensa de uma forma..

  3. José Luciano Gasparello Filho
    6 de julho de 2014 at 17:33

    É divertido acompanhar comentários de quem lê somente o primeiro parágrafo. Mas o espaço é democrático, gostando ou não, a opinião é publicada.

  4. Sérgio
    7 de julho de 2014 at 01:59

    Dificilmente perco um episódio.concordo que a mulherada na maioria da de 10 nos homens.pra mim o pior momento de se ficar sem roupa e ter de enfrentar os mosquitos e o frio.Muito bom a serie.muito instrutiva

  5. Fernando
    27 de julho de 2014 at 11:30

    Eu acho essa série muito boa. Principalmente por mostrar como o fator psicológico é afetado em momentos de privações. Um abraço.

  6. Gustavo
    7 de setembro de 2014 at 22:25

    Luciano, eu praticamente não perco esses tipos de programas, e concordo em gênero e número com sua opinião. As mulheres neste programa se mostram muito mais ativas, mas nas avaliações a nota é sempre menor que do parceiro. Outro ponto a levantar são os pés, eles sofrem todos os dias durante todos os episódios e a maioria não tenta fazer uma proteção…

  7. 31 de dezembro de 2014 at 14:19

    Gosto muito desta série e acho que não perdi nenhum episódio, mas na real: deveria ter uma vertente brasileira para o episodio (Largados e Pelados ) igual ao Desafio em Dose Dupla Brasil com Edmilson Leite e Leonardo Rocha e também não repetir mais tanto, mas é bem legal para quem quiser ter uma base solida na sobrevivência.

  8. jair zopi
    30 de setembro de 2015 at 13:33

    eu fui criado na roça e se eles usar a cabeça as coisas pode ser mais fácil a selva da tudo e so saber aproveitar eu gostaria de participar deste desafio não tenho nenhum estudo mau sei escrever mas na natureza eu me viro muito bem sem medo se eu comseguice me escrever eu ia sem medo neste desafio

Comments are closed.