A Importância do Rápido Diagnóstico nos Acidentes por Serpentes Peçonhentas

Cascavel. Foto de uso gratuito (Wikipédia)

Esta postagem é mais dedicada aos profissionais de saúde do que propriamente para outras pessoas. Para saber quais os primeiros socorros prestar, antes de chegar ao atendimento especializado, prefira este artigo: Acidentes com Animais Peçonhentos. Vale ressaltar que, apesar de gostar do assunto, não sou um grande especialista em serpentes, mas indicarei publicações que possam orientar os profissionais de saúde interessados em se aprofundar no tema.

É muito importante que os médicos conheçam os sintomas relacionados aos acidentes com animais peçonhentos. Talvez, levar o animal até o serviço de saúde poderia determinar o tipo de tratamento antes mesmo dos sintomas se tornarem evidentes, ou até mesmo encaminhar o paciente para casa, por ter sido picado por animal não peçonhento, mas não se pode exigir dos profissionais de saúde um amplo conhecimento da biologia desses bichos. Por outro lado, acredito que nenhum médico gostaria de aplicar, por exemplo, o soro antiofídico sem que os sintomas se apresentem, devido ao risco de choque anafilático. Outras vezes, no caso de serpentes peçonhentas, pode haver o bote seco, ou seja, sem a inoculação de peçonha. Conhecer sintomatologia pode ser até mais simples para o profissional determinar o tratamento do que memorizar as várias espécies de animais causadores de acidentes. Por outro lado, seria interessante ter um bom conhecimento tanto dos gêneros de serpentes peçonhentas, sua distribuição geográfica e também dos sintomas. Isso poderia facilitar muito o diagnóstico.

Podem haver complicações caso o profissional de saúde não conheça os sintomas que acontecem devido a ação da peçonha de cada gênero de serpente. Um exemplo é que alguns dos acidentes botrópicos (jararacas) podem ocasionar alguns sintomas  parecidos com os acidentes laquéticos (surucucus picos-de-jaca), e vice-versa. Neste caso, conhecer os locais de ocorrência de cada gênero de serpente já ajudaria bastante em alguns locais do país aonde a Lachesis muta (surucucu pico-de-jaca) não ocorre. Outras vezes, um acidente botrópico considerado leve pode apresentar poucos sintomas clássicos.

Nenhum profissional de saúde deve confiar que as vítimas sabem com exatidão qual é o animal causador do acidente, uma vez que a variedade de nomes populares é muito vasta e, no caso de serpentes, existem aquelas que são chamadas com nomes populares iguais, mas se tratam de animais de espécies distintas. Novamente aqui, tomamos como exemplo a Lachesis muta, conhecida por surucucu pico-de-jaca tanto na literatura quanto em algumas regiões do país, mas que em alguns lugares da Floresta Amazônica é conhecida simplesmente por jararaca.

Para os profissionais de saúde, e também aos curiosos, deixo dois links para baixar publicações sobre o tema:

Exclusivamente em se tratando de serpentes peçonhentas, indico fortemente a leitura do livro:

Obra indicada de Paulo Sérgio Bernarde.

3 comentários para “A Importância do Rápido Diagnóstico nos Acidentes por Serpentes Peçonhentas

  1. Renato Matheus
    12 de março de 2015 at 01:20

    Prezado Gasparelo, existe tambem um guia lançado pelo INPA, Guia de Cobras da Região de Manaus, mas que é bem abrangente.

    segue o link… http://ppbio.inpa.gov.br/sites/default/files/guia-cobras-regiaoManaus_PPBio_CENBAM.pdf

    • José Luciano Gasparello Filho
      12 de março de 2015 at 09:50

      Obrigado pela colaboração Renato!

  2. Lize
    13 de maio de 2016 at 21:55

    Sou do tipo de guia de turismo e participante do movimento escoteiro que prefere prevenir e em 30 anos nunca tive problemas, mas agora a “moda” me obrigou a me prevenir ainda mais… Então te agradeço. Entrava nas caminhadas procurando fazer excesso de vibração no solo ao caminhar , no ar etc etc assim 50% dos animais saem do caminho. Em 30 anos sem nenhum acidente estava bem feliz. Agora temos turistas querendo fazer avistamento de pássaros… ai ai … não posso mais ser um pouquinho barulhenta/ emitir minhas sutis vibrações… Então agora só estudando para me preparar melhor, porque quando comecei *1986) ainda éramos treinados para cortar e chupar !!!!! Credo !!!!!! Agradeço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing