Desarmamento. Você é contra ou a favor?

Há algum tempo escrevi um texto alertando sobre o perigo das carabinas de pressão com molas muito fortes. Algumas pessoas me criticaram fortemente por achar que o texto era desarmamentista. Ledo engano de pessoas que não sabem interpretar textos em língua portuguesa. Aqui vai um adendo. Mesmo que minha posição fosse e ainda seja contrária ao desarmamento, que as críticas fossem construtivas. Tive que apagar alguns comentários rudes.

No referido texto, a minha preocupação era, e ainda é, a possibilidade de termos a comercialização das carabinas de pressão tão dificultada quanto a de armas de fogo. O fato é que tanto a indústria quanto consumidores, justamente pelos entraves encontrados para comprar armas de fogo, são ávidos por calibres maiores de armas de chumbinhos, que podem, sim, causar sérios danos e até mesmo a morte. Você acha que não? Então responda essa: você teria coragem de ficar de frente à uma carabina de pressão para receber um tiro certeiro na cabeça ou diretamente em seu coração? Acha que uma carabina de pressão, mesmo com uma energia menor que uma arma de fogo de mesmo calibre não faria um estrago considerável? Sim, existem pessoas que acreditam que armas de pressão não são capazes de ferir, inclusive leitores do site Tocandira, que procuram carabinas de pressão fortes o suficiente para perfurarem chapas de ferro ou pedaços de madeira mas não acreditam em seu poder letal. É uma falta de bom senso inacreditável.

Sempre tive familiares que manipulavam armas de fogo por motivos diversos, sendo o principal deles, a defesa pessoal de suas residências. Fui criado sem achar que armas de fogo, facas, arcos e flecha eram coisas de bandido. Não são. Na infância tive muitas armas de brinquedo, setras, facas, canivetes e arcos e flechas, mesmo artesanais. Não virei bandido. Bandidos transformam qualquer coisa em arma, até mesmo pedaços de pau e facas de cozinha. Será que também irão proibir o comércio de facas de cozinha?

Pessoas que pensam sem as opiniões do Jornal Nacional ou de outros veículos de comunicação podem perceber que tanto armamentistas quanto desarmamentistas exageram nas defesas de suas teses. Isso é um jogo político aonde os interesses mais fortes irão perdurar, seja da indústria, da população ou da segurança pública. Desarmamentistas tem razão quando falam que a maioria das armas apreendidas em mãos de bandidos, no Brasil, são provenientes de furtos das casas de pessoas comuns. Pelo menos no Distrito Federal, são apreendidos muitos revólveres do calibre 38, em sua maioria da marca Taurus e alguns poucos da Rossi e de outras marcas diversas. Armamentistas defendem que estas  armas são provenientes do Paraguai. Será mesmo que este discurso cola? Em outros estados vemos na TV que o crime organizado utiliza fuzis e até mesmo granadas, estas, certamente, provenientes das forças armadas, policiais ou até mesmo do contrabando internacional de armas. Mas o criminoso “comum” irá utilizar o 38 furtado de uma pessoa igualmente comum.

Não pense que policiais saem à caça de velhinhos que mantêm armas registradas em suas casas para proteção. Este é um tipo de crítica que ofende a qualquer policial que arrisca sua vida para a defesa de pessoas desconhecidas. Assisti a esta crítica contra o trabalho policial num vídeo de um canal armamentista do YouTube, que também falava algumas bobagens acerca da lei do desarmamento, ou seja, um excelente veículo de desinformação. O canal fazia um bom trabalho até então, quando, do meu ponto de vista, passou a veicular informações parciais. A polícia não tem tempo para perseguir pessoas de bem. A maioria das apreensões de armas no Distrito Federal se dão devido ao competente trabalho da Polícia nas perigosas abordagens de suspeitos nas ruas. Armas apreendidas em mãos de bandidos antes ou após a realização de crimes. Pessoas de bem não contrariam a lei andando armados em botecos na madrugada e estarão a salvo em abordagens policiais, quando dentro da lei. A lei é dura, mas é lei.

Apesar de deter o conhecimento que as armas apreendidas em mãos de criminosos sejam em sua maioria provenientes da posse irresponsável de armas por pessoas comuns, sou favorável à facilitar ao cidadão a posse de uma ou mais armas de fogo dentro de sua residência. Se esta arma irá causar acidentes com crianças, se será furtada, que o proprietário seja responsabilizado penalmente por sua irresponsabilidade.

Imagine que alguém está forçando a porta ou a janela de sua casa. Você tem a certeza que é um assaltante. Como você defenderá sua família? Você até pode armar-se com um cabo de vassoura ou uma faca de cozinha, mas você teria alguma chance contra um ou mais invasores decididos? E nos locais mais afastados da zona rural, a quem pedir ajuda numa situação de invasão iminente do seu lar?

A maioria da população já se declarou a favor das armas de fogo em plebiscito quanto ao Estatuto do Desarmamento, vencendo até mesmo a maciça propaganda desarmamentista veiculada pela rede Globo, na época. Gostaria de saber a opinião dos leitores Tocandira. Grande parte dos leitores do site gosta de armas de fogo, outros chegam ao site atraídos por outros assuntos como o camping e a pesca.  Vamos ouvir todos os lados num debate adulto. Espero opiniões de todo o tipo, sejam contrárias ou a favor de minha posição que apoia o comércio de armas de fogo no país. Comentários ofensivos e irônicos serão apagados.

Meu pai ensinou toda a família a manipular armas de fogo com segurança, mostrando o que fazer numa situação de invasão domiciliar. Segue um comercial da Glock para sua reflexão:

 

30 comentários para “Desarmamento. Você é contra ou a favor?

  1. Eduardo Marques
    17 de novembro de 2013 at 15:24

    Eu acho que os cidadãos devem ter direito a ter arma em casa sim, porém não acredito que ter uma arma em casa tenha grande serventia como proteção e acho que haveria a necessidade de um controle rigoroso (cadastramento biométrico, avaliações psicológicas, treinamento intenso e renovação da permissão com vistorias regulares). Qual motivo para eu pensar assim?
    1- Um cidadão responsável e cumpridor das leis deve ter o direito de comprar o que ele quiser, desde que não não seja um item ilegal.
    2- Não acho que sirva como proteção pois quase todos os casos em q já vi ou ouvi falar a pessoa é surpreendida e não tem como pegar a arma (exceto pela senhorinha do vídeo http://noticias.r7.com/cidades/video-inedito-mostra-momento-que-idosa-de-quase-90-anos-atira-em-bandido-no-rs-28082013).
    3- Moro em um lugar onde muita gente tem arma em casa e já aconteceu muita desgraça por besteira (criança morrendo ou matando coleguinha por brincar com arma do pai, briga de vizinhos por motivos bobos que terminam em morte, brigas de bar e até gente morrendo na hora de limpar a arma). Isso tudo por falta de uma avaliação psicológica e um treinamento adequado no manuseio da arma.

    Portanto acho sim que o cidadão deveria ter esse direito, mas que esse direito deveria ser exercido com muita responsabilidade (como todos os direitos deveriam ser aliás).

  2. Paulo godoy
    17 de novembro de 2013 at 20:44

    Eu sou a favor do comercio de armas de fogo sim desde que, como disse Eduardo Marques tenha um rigoroso controle e não uma proibição absurda que chega a beirar a paranoia, onde parte de uma arma é considerada completa. Onde há proibição para muitos e algumas exceções para poucos.

  3. 17 de novembro de 2013 at 21:55

    Considerações:

    1) como você, cresci com armas de fogo nas mãos, sempre seguro, me formei, não virei bandido e graças a armas de fogo não sofri piores danos em mãos de criminosos;

    2) considero cuidado com arma de pressão idêntico ao da arma de fogo. o mesmo vale para qualquer outra: besta, arco, estilingue, lança, etc. Todas são capazes de produzir ferimentos sérios e/ou morte em humanos e animais. Não são meros brinquedos.

    3) verificando o canal supra citado, concordo em partes com seu pensamento, embora penda para o lado do canal: veja que o estatuto do desarmamento é uma lei bastante arbitrária, vigorando elementos do direito penal do inimigo, além do fato de o próprio STF ter relativizado algumas coisas do mesmo. Considero este diploma uma aberração as liberdades individuais, contrariando os princípios básicos contidos na declaração universal dos direitos do homem, convenção americana de direitos humanos e constituição federal, pois extingue do ser humano a garantia de segurança e integridade física e moral, pois o Estado não é onisciente e onipresente, mas se mostra assim contra os direitos e garantias individuais do homem.

    4) ocorreu um referendo e não plebiscito: o momento foi de confirmação da lei. Tendo vencido o “NAO”, era caso do estatuto ser revogado ou alterado para esta realidade. Não há da parte dos poderes estatais qualquer movimentação no sentido de autorizar o homem de bem que deseje adquirir uma arma de fogo para defesa de sua família.

    5) as armas “inferiores”, localizadas em mãos de bandidos demonstram mais a incompetencia estatal do que efetivamente uma arma furtada do zé da silva: o estatuto preve como crime a não comunicação do extravio ou furto de arma de fogo em até 24 horas do fato. Desta forma, se a arma de calibre permitido foi localizada em mãos de criminosos comuns, a origem pode ser: a) arma já ilegal perante o estatuto, pois o período de anistia encerrou-se em 2009; b) arma de calibre permitido obtida por vias ilegais, seja por contrabando (sim, a Taurus/Rossi exporta quase 100% de sua produção para os EUA e outros países e quase nada é consumido aqui. O mesmo ocorre com Boito e CBC — vide as espingardas Stoeger Coach Gun/Uplander, nome bonito para a A680, e os rifles Mossberg Plinkster 702/802, simplesmente os CBC 7022/8022.) Para confirmação desta minha teoria, basta que se rastreie os números de série das armas que ainda os ostentem, pois é comum no meio do crime esmerilhar-se os números, para dificultar a localização da origem (se criminosa, produto de furto/roubo, ou de contrabando).

    6) a velha máxima de que armas não matam pessoas e que pessoas matam pessoas é mais verdadeira que nunca. Na década de 1960 a 1980 ocorriam vários crimes com armas de fogo, muito menos que hoje em dia (algumas milhares de vezes…). Porem, a venda de armas ocorria até em armazens/vendas/secos e molhados, assim como as muniçoes. Ou seja: as armas em si não eram o problema, como se quer fazer crer. Toda casa que se prezasse tinha um revolver na gaveta e uma espingarda atrás da porta.

    7) restringiu-se apenas o acesso do cidadão de bem a arma de fogo; o criminoso pouco se importa com o resultado de sua conduta delitiva, tendo-se em vista que sequer vislumbra, muitas vezes, um futuro digno para si e sua família. Culpa das armas? Dificilmente… Não quero justificar a bandidagem, mas o problema está mais numa cultura de crime e endeusamento da arma como objeto/símbolo de poder, do que na arma em si.

    8) eu quero ter uma arma de fogo por perto enquanto for possível e se isso se tornar impossível por restrições indecentes e esdrúxulas, sinto muito, tornarei-me um criminoso, no afã de manter a segurança da minha família, se isso se resumir a manter uma arma de fogo ilegal.

    9) a polícia nunca está presente e no brasil virou moda até greve policial. Vamos confiar em quem? Prefiro confiar em mim, na pólvora seca e na Providência. Prefiro comunicar um ladrão baleado em casa do que acharem minha família morta e ficar por isso mesmo. Antes ser julgado por 7 que carregado por 6.

    10) se a restrição a compra resolvesse alguma coisa, o brasil e outros países “desarmados”, assim como cidades americanas, como chicago e detroit, seriam paraísos na terra. ocorre que é justamente o contrário.

    11) A PF é incompetente para organizar o SINARM (na verdade, sei que tudo é uma conspiração pre-ditadura do proletariado — russia, cuba, venezuela, alemanha nazista, tudo foi assim) e para liberar a compra de uma arma de fogo permitida é pior que um parto. renovar registros idem. Alem das exigências serem absurdas, o estatuto te obriga a se tornar um alienado mental ou obter CR do Exercito, muito mais caro, pois como se podera usar a arma para treinar? No quintal, não pode: crime de disparo de arma de fogo/acionamento de munição. Levar na chacara, não pode: crime de porte de arma (mesmo longa!) pois a PF não libera GT. Levar no estande, não pode, idem anterior. Munição, só 50 por ano em arma curta. Treinar como então?

    Abraço.

  4. PEDRO CORDEIRO DE LIMA
    17 de novembro de 2013 at 22:01

    ” O MAL NÃO ESTÁ NAS ARMAS, MAS NAS PESSOAS QUE SE PERMITEM A MALDADE”

    O SER HUMANO, ONTEM, HOJE E SEMPRE…CONTINUARÁ SUBJUGANDO, FERINDO E MATANDO SEU PRÓXIMO COM ARMAS DE FOGO OU SEM ELAS…
    ESSES IDIOTAS QUE BANALIZAM AS ARMAS DE FOGO E ATÉ OS ESPORTES ONDE DELAS SE UTILIZAM, TEM QUE ENTENDER QUE AINDA QUE RETIREM DE CIRCULAÇÃO TODAS AS ARMAS DE FOGO…AINDA ASSIM AS PESSOAS EM SEUS MOMENTOS DE ÓDIO, FÚRIA OU PERVERSIDADE (cada dia mas intolerantes) CONTINUARÃO LANÇANDO MÃO DE OUTROS INSTRUMENTOS PARA FERIR OU MATAR SEU SEMELHANTE…ENTÃO O MAL ESTÁ NAS PESSOAS E NÃO NAS ARMAS…ASSIM PEDRAS, PAUS, FACAS, ETC…SÃO INSTRUMENTOS DE MORTE TANTO QUANTO UMA ARMA DE FOGO QUANDO EXISTE A INTENÇÃO DE USA-LOS PARA TAL FIM.
    DIGAM A ESSES IDIOTAS CONTROVÉRSOS E SENSACIONALISTAS QUE TALVEZ ELES NEM SUAS GERAÇÕES EXISTIRIAM CASO NÃO HOUVESSEM ARMAS PARA QUE OS ALIADOS, NA SEGUNDA GUERRA, VENCESSEM O NAZISMO…DANDO LIBERDADE DE EXISTENCIA AO MUNDO…PENSEM NISSO.
    OPINIÃO DE :
    P CORDEIRO

  5. 17 de novembro de 2013 at 22:04

    Em relação aos comentários do Eduardo Marques e do Paulo Godoy:

    1) concordo que se deva manter sim, os psicotecnicos e testes praticos para liberaçao da compra, mas que sejam ampliados prazo de de registro (de 3 para 5 ou 10 anos pelo menos)

    2) endurecimento contra crimes praticados com arma de fogo: lesão corporal, homicídio, roubo, latrocínio. Tem arma de fogo na parada? Ou aumenta a pena em 1/6 a 2/3 ou equipara a hediondo (latrocínio já é).

    3) revisão desse ECA do capeta, que permite que menores infratores matem como adultos e se desculpem como infantes. A onde isso vai nos levar?
    16 anos tá passado de bom, se é homem pra votar, é homem pra responder pelos atos, para dirigir, para cuidar da própria vida.

    4) infelizmente, falo isso só por falar, probabilidade disso ocorrer perto de zero…

    Abraço!

  6. Luiz Fernando dos Santos
    17 de novembro de 2013 at 22:11

    Sou contra o desarmamento pois enquanto os poderosos contratam segurança para proteger seus interesses e suas familias, o povo fica desarmado à mercê dos bandidos…

  7. Renato F Rocha
    17 de novembro de 2013 at 22:27

    Sou contra o desarmamento e contra medidas muito rigorosas para o comércio de armas e sim a favor de leis rigorosas para quem comete crimes. Quanto a ser útil depende. Uma visão ofensiva perante uma invasão é problemática, mas uma visão defensiva aonde se permanece-se entocaiado, armado, deixando os bandidos saberem disso (tiros no teto por exemplo) é bem efetiva. Eles que venham e se exponham a tiros e não o contrário!

  8. Joel Muxfeldt
    17 de novembro de 2013 at 22:42

    O DIREITO AO PORTE DE ARMAS DEVE SER PERMITIDO AOS CIDADÃOS DE BEM.

    Os propagandistas do desarmamento, omitem que a violência é causada por criminosos sem armas registradas, que devem estar rindo à toa, pois se tornará muito mais fácil assaltar cidadãos desarmados.
    Até hoje não se viu nenhum bandido ou traficante, procurando a polícia para entregar seu AR-15, seu AK-47, suas pistolas 9mm;.40; .45, ou outros armamentos ilegais de sua posse.
    A falácia está que a maioria dos crimes vão ser evitados pelo Estatuto do Desarmamento, e são aqueles resultantes de confrontos entre polícia e bandidos, assaltos, roubos a mão armada, invasões de domicílios, guerra entre quadrilhas, queima de arquivos. Os crimes evitáveis são aqueles ocorridos em brigas de rua, de trânsito, entre marido e mulher e brigas em bares, nos quais os envolvidos não sejam criminosos.
    Peter Hof, em estudo realizado, publicado no site http://www.midiasemmascara.com.br, aponta que os crimes não evitáveis pelo Estatuto são de ordem de 96,3%, enquanto que os evitáveis estão na ordem de 3,7%.
    Assim, se a campanha pelo desarmamento fosse séria, tudo começaria com o desmantelamento e o desarmamento dos criminosos organizados que controlam vilas, favelas, que controlam o tráfico, que assaltam carros fortes, fazem roubos de cargas e fazem incursões violentas para saquear o homem de bem. Em que o desarmamento do cidadão vai contribuir para por fim a isto?
    As verdadeiras causas da violência que assolam o país, são a miséria, a fome, a falta de emprego decente, de educação e a desesperança, que são a realidade e os verdadeiros desafios que temos que enfrentar.
    Por outro lado, o Estado não tem condições humanas e materiais de defender o cidadão, começando que as delegacias estão mal aparelhadas, as polícias mal remuneradas, a justiça deficiente e morosa, existe impunibilidade, a legislação que permite protelação e inúmeros recursos, tudo isso facilitando a impunidade.
    Como ficará então, o cidadão quando um marginal estiver prestes a invadir sua casa, e este por ser uma pessoa simples, que não tem cerca elétrica ou seguranças, ligar no 190 buscando ajuda, for informado de que naquele momento a viatura encontra-se empenhada em outra ocorrência?
    “Uma sociedade que não pode defender seus cidadãos não tem o direito de impedir que se defendam a sí próprios.” (Massad Ayoob).
    Coitado do cidadão honesto: está sendo instado a se desarmar para deixar mais à vontade os bandidos armados até os ”dentes”. Aqueles que votarem pela proibição da comercialização de armas no Brasil, estarão desistindo da auto defesa pela ausência forçada dos meios para concretizá-la, ficando a mercê do que não pode ser garantido com absoluta segurança, ou seja, a proteção policial.

    Artigo publicado:

    Os suíços têm a ideia certa sobre armas de fogo
    Rich Wehr
    Se preferir leia no original em inglês
    A Suíça é o país mais seguro do mundo para se viver. Não porque é um país neutro ou qualquer coisa desse tipo.
    Creio que é devido ao fato de que cada cidadão do sexo masculino é obrigado a manter uma arma de fogo em casa.
    Quando um cidadão suíço do sexo masculino completa 20 anos, ele recebe um rifle totalmente automático.
    Todo cidadão do sexo masculino é convocado para defender sua pátria se seu país o chamar.
    Os suíços e as armas de fogo andam de mãos dadas como vão junto o arroz e o feijão no Brasil. O tiro ao alvo de estilo olímpico é o esporte nacional da Suíça e não é nada incomum ver um cidadão normal num trem, ônibus ou apenas caminhando pela rua com um rifle no ombro.
    A política da Suíça de exigir que todos os lares tenham uma arma de fogo é uma das principais razões por que os nazistas não invadiram a Suíça na 2 Guerra Mundial.
    Tivessem os nazistas invadido, teria havido muito mais sangue alemão escorrendo pelas ruas do que sangue suíço.
    A Suíça é o lugar mais duro do mundo para ser criminoso porque se você planejar arrombar a casa de alguém, você tem a certeza de que o dono da casa tem uma arma de fogo e foi treinado para usá-la.
    Se você acha que os americanos são obcecados com a manutenção da Segunda Emenda [que protege o direito de eles terem e usarem armas para defesa], você ainda não viu nada até que visite a Suíça.
    A Segunda Emenda da Constituição dos EUA foi inspirada nas políticas da Suíça. Se os suíços não tivessem as mesmas políticas do século XVII, é bem possível que a Segunda Emenda não existiria nos Estados Unidos hoje.
    A maioria dos meninos dos Estados Unidos joga em pequenos times de beisebol ou futebol.
    Mas a maioria dos meninos da Suíça participa de competições locais de tiro ao alvo e se filia a clubes de tiro ao alvo quando completam 10 anos.
    O passatempo nacional dos EUA é o beisebol. O passatempo da Suíça é tiro ao alvo de precisão.
    Na Suíça, há menos de um homicídio por cada 100.000 cidadãos por ano, e em 99 por cento dos casos, não há envolvimento de uma arma de fogo.
    Há apenas 26 tentativas de roubo por ano para cada 100.000 cidadãos.
    A maioria desses roubos é cometida por estrangeiros e não envolve armas de fogo.
    Os crimes violentos praticamente não existem, mas todo lar tem uma arma de fogo. Surpreso?
    Está escrito na lei suíça: “O elevado número de armas de fogo per capita não leva a um índice elevado de crime violento”. Isso está solidamente confirmado na Suíça.
    A Suíça é um dos países mais pacíficos do mundo. O resto do mundo precisa pegar essa dica.
    …………………………
    Espero sinceramente que ocorram mudanças urgentes na legislação para facilitar a aquisição e o porte de arma para os cidadãos de bem, e que a Câmara Legislativa respeite o plebiscito popular que foi realizado

  9. 17 de novembro de 2013 at 23:15

    TER ARMAS, ANTES DE UM DIREITO, É UM DEVER CÍVICO! E DEVE SER HONRADO E PROTEGIDO POR TODOS, PORQUE TODOS PRECISAM TER SUA PRÓPRIA FORÇA DE PROTEÇÃO CONTRA OS QUE AMEAÇAM SUA PAZ, SUA DIGNIDADE E SUA VIDA.

    É A HONRA E O RESPEITO À DIGNIDADE HUMANA DE TER SUA PRÓPRIA VIDA LIVRE E RESPONSAVELMENTE GUIADA POR SI MESMA, A SUA SAGRADA LIBERDADE! QUERER TER ARMAS, ANTES DE TUDO É UM DIREITO, E ANTES DE UM DIREITO, UM DEVER CÍVICO. UM DEVER PARA CONSIGO MESMO, PARA SUA FAMÍLIA E PARA AQUELES QUE DESPROTEGIDOS ESTÃO.

    FICAR DISCUTINDO QUE O ESTADO PROTEGE OU NÃO PROTEGE, MESMO SABENDO TODOS QUE NÃO O FAZ, O QUE É FATO, É UMA ARMADILHA IMINENTE!

    SIM, O ESTADO TEM O DEVER DE PROTEGER E ISSO É INDISCUTÍVEL E INALIENÁVEL DENTRO E SOB O ESTADO DE DIREITO. ASSIM É TAMBÉM O CIDADÃO DE BEM, QUE NASCE COM O DIREITO E O DEVER DE EMPUNHAR SUAS ARMAS SE ASSIM O QUISER E ASSIM O PREFERIR. E ISTO É CONCORDADO POR TODOS!

    E AQUI EMERGE O PONTO COMO FUNDAMENTO INALIENÁVEL DE CADA CIDADÃO POSSUIR SUAS ARMAS, ELE É SEU E NASCE COM ELE, SENDO SAGRADA SUA ESCOLHA E RESPEITADA, SE ASSIM ELE PRATICAR A JUSTIÇA COM TODOS, E NÃO FERIR OUTROS DE SEUS IRMÃOS OU IRMÃS!

    SUA ESCOLHA DE EMPUNHAR ARMAS, É TAMBÉM O SEU DEVER. PORQUÊ NÃO PODE, NÃO QUER E NÃO DEVE ESPERAR QUE SUA VIDA, SUA SAÚDE E A DOS SEUS, ESTEJAM REFÉNS DO INIMIGO, COMO TAMBÉM NÃO DEVE DEPENDER DE OUTROS, DO SEU PAÍS E DE SEUS HERÓIS PARA SOCORRÊ-LO, E ISTO PORQUE NUNCA DEVE DELEGAR SUA VIDA E SUA LIBERDADE AO OUTRO! A NÃO SER QUE, POR INFELICIDADE OU INCAPACIDADE, NÃO CONSIGA POR SI MESMO REALIZAR A SEGURANÇA DE SUA VIDA OU DOS SEUS, E QUE ASSIM E SÓ DESTA MANEIRA, O OUTRO NUNCA LHE FALTE! SALVO ISTO, PROTEGER A SUA VIDA CABE A SI, COMO UM DEVER E UM DIREITO.

    HALLAN O BÁRBARO

  10. Nico Borges
    18 de novembro de 2013 at 00:11

    Considero a tentativa de aprovar uma lei de desarmamento uma aberração. Tudo neste país é feito com paliativos. O que falta mesmo é educação. Um povo devidamente educado consegue seu emprego, tem melhor acesso à saúde e adquire conceitos que lhe permite viver em paz. Embora não tenha uma arma de fogo, quero ter o direito de poder comprá-la quando quiser!

  11. Rodrigo Freitas
    18 de novembro de 2013 at 00:17

    Eu sou a favor do cidadão ter o direito de escolher comprar ou não uma arma.
    Mas agora vamos pensar por outro lado, se o governo com politicas correntas conseguir reduzir a criminalidade qual seria a necessidade de ter uma arma? A maioria tem por causa do medo, enquanto a nossa politica for tão porca e corrupta, todos vão querer ter uma arma, ou até mesmo outras medidas muito mais violentas.
    Mas o direito de decisão tem que ser do cidadão, não podemos ser tão levados pela a midia, não so a GLOBO outras tambem tem as mesma coisa da GLOBO vai de acordo com o que da lucro.

  12. Glademir da Rosa Gomes
    18 de novembro de 2013 at 01:09

    O problema de quem é contra pessoas decentes e trabalhadores honestos de possuírem armas para defesa da família e lar, acham que um marginal vai chegar em uma loja apresentar documentos como identidade,cpf,etc…vai dar o endereço e dizer que vai utilizar em crimes,isso é um absurdo pois ele tem fuzis armamento pesado que conseguem ilegalmente, não é em loja comum que vão conseguir isso.

  13. Maicon Santana dos Anjos
    18 de novembro de 2013 at 01:40

    Sou a favor da liberalidade controlada do comércio e uso de armas e munições, ou seja, contra o desarmamento e a maneira legal atual com que o assunto é tratado.
    Um sujeito não se torna perigoso ao possuir ou portar arma de fogo. Ele já é perigoso antes disso. A periculosidade de um indivíduo, apesar de poder ser maximizada ou reduzida conforme a situação, independe de seus recursos para praticar o mal. Pode, por exemplo, agredir com um automóvel, uma substância nociva à saúde, um utensílio de cozinha, uma ferramenta, não somente armas de fogo.
    Por fim, a pessoa de bem que se sinta mais segura de posse de arma de fogo, deve fazê-la com princípios, ou seja, com respeito, responsabilidade, coerência, etc.
    O Estado deveria se preocupar em manter a segurança pública por meio de outras ações, não pelo desarmamento. E quanto ao controle do comércio e uso de armas e produtos relacionados, deveria fazê-lo de forma que garanta o uso responsável, não da forma legal arbitrária, burocrática e proibitiva que temos hoje.

  14. Fabio Luiz de Andrade Braga
    18 de novembro de 2013 at 02:31

    Só para lembrar, todos vocês estudaram história ou no mínimo conhecem alguma coisa da bíblia, e podem reparar que a evolução da humanidade é descrita em lutas e conquistas. Reinos e impérios foram nascendo e sendo tomados até termos a formação política de hoje. Até pouco tempo não havia pólvora ou armas de fogo, por ai vemos que a humanidade nunca precisou de armas de fogo para matar, se não as tivermos vamos usar facas, paus, pedras ou qualquer coisa que nossa criatividade permitir.
    Meu pai me ensinou a atirar com segurança desde criança para não fazer besteira quando visse uma arma, tenho 61 anos, nunca tive uma ocorrência policial nem ao menos uma briga na escola, atiro sempre em clube e em meu sítio e JÁ DEIXEI DE SER ASSALTADO inúmeras vezes apenas “olhando nos olhos” e mostrando que estava armado. O cara sai de fininho. Hoje em dia não me fornecem porte de arma, e como só o ladrão pode andar armado, nos últimos anos já fui assaltado umas 3 vezes. Não aconselho mas em 2 eu reagi e foram embora mas tem que sentir, cada caso é um caso. Tenho o direito de andar armado, quero andar armado, acho que melhora minha segurança e adoro matar umas latinhas, pena que a política do governo não inclua minha segurança nem a de vocês. Se todos puderem se armar o assalto acaba virando um risco muito grande para os assaltantes e a impunidade que é o maior alimento de todos os tipos de crime no Brasil começa a perder força pelo risco mostrado no vídeo acima.
    Sou a favor das opiniões acima e tenho esperança de que algum dia tenhamos nossos direitos respeitados.

  15. Luiz carlos
    18 de novembro de 2013 at 03:19

    Aos meus dez anos de idade,morava no interior do ceara,gostava muito de caça usava apenas estilingue
    Pois os adultos não deixavão que pegassem nas espingardas,começei a trabalhar nesta mesma idade meu primeiro Salário fui na loja e comprei minha primeira arma uma soca soca,que na época ere encontrada facilmente,sem restrição pois era parte da nossa cultura aquelas armas,que atualmente quem for apanhado com uma ta encrencado.apesar da minha pouca idade ,sempre seguie os conselhos do meus pais,responsabilidade sempre,na época aconteciam vezes ou outra acidentes com essas armas por descuido ou falta de educação.atualmente tenho duas armas de pressao extremamente fortes a responsabilidade ea mesma,todos nos pessoas de bem,deveríamos ter esse direito assegurado,auto defesa.mas com ressalva fez besteira punição porque cada um é responssavel pelos seus atos,mas infelizmente qualquer governo que entrar no poder no Brasil vai tratar cada dia ,de dificultar esse direito.brasil pais de vitimas.

  16. Sydney C. Cruz
    18 de novembro de 2013 at 09:55

    Concordo plenamente com Maicon Santana dos Anjos !!!

  17. Alessandro Peres
    18 de novembro de 2013 at 16:59

    Complementando os comentários dos colegas, sou a favor do cidadão possuir arma de fogo e que receba o devido treinamento de seu uso. Mas no caso do Brasil a restrição a arma de fogo e munições é um artifício que nossos governantes criaram para nos manter no controle (assim como o ensino medíocre das escolas públicas).
    Pessoas com boa base educacional e com direito a possuir armas é um negócio perigoso para um governo que tem uma relação parasitária com seus “governados” (uma revolução seria certa).
    Educação e garantias de direito ao cidadão é coisa de país de primeiro mundo.
    Infelizmente nobres colegas ao contrário do que dizem nossos livros de histórias o Brasil ainda é uma Colônia de Exploração.

  18. Honorio Luiz Grassi
    19 de novembro de 2013 at 18:37

    Eu seria a favor do desarmamento – seria, no condicional – em um estado ideal onde houvesse justiça social, segurança, onde o estado se fizesse presente em plenitude de atuação quantitativa e qualitativa. Sou atirador desportivo, filiado a clube de tiro, federação estadual e confederação. Bem sei o potencial destrutivo e intimidador de uma arma. Num Estado ideal, as armas deveriam ser banidas. No atual, sou a favor do cidadão de bem, ter a(s) sua(s) arma(s) para intimidar e se necessário, destruir o malfeitor.

  19. Yoseph Makabi
    20 de novembro de 2013 at 21:56

    Cidadão desarmado é presa fácil. O governo não garante segurança nenhuma e nega ao cidadão comum o sagrado direito de defender sua própria vida. Sou contra o desarmamento e totalmente a favor do porte e uso de arma. Lembrar que o trânsito em um ano mata mais gente do que a guerra do Vietnã, que durou dez anos. Portanto o carro é mais perigoso que a arma de fogo. Quem é violento e quer matar alguém usa qualquer coisa, até as mãos. O problema não é a arma é o cara que a segura.

  20. Heráclio Arcoverde (Tito)
    21 de novembro de 2013 at 02:59

    Sou contra o desarmamento do cidadão de bem. Se fizerem alguma coisa para tomar as armas dos criminosos, ou melhor ainda, impedir que armas ilegais entrem no Brasil, terão o meu apoio. Mas não neguem aos brasileiros o direito de defender seus entes queridos. NÃO AO DESARMAMENTO DOS CIDADÃOS!

  21. Orlando Thomas
    21 de novembro de 2013 at 19:17

    Sou contra o desarmamento do jeito em que é colocado pelo governo e políticos, que usam o dinheiro público para pagar seus seguranças em tempo integral, negando o mesmo direito aos cidadãos iguais perante a lei e a constituição. Êles, os citados antes seriam os “mais que iguais”.
    Sou a favor que as pessoas frequentes cursos de como usar as armas pretendidas (a comprar) e, após a compra, que possam, periodicamente, ter onde manter treinamento de uso e disparo dessas armas. E que os órgãos responsáveis forneçam o local para isso e a licença para o deslocamento das armas de casa até o local de treino SEM CUSTOS ao cidadão.
    Outro ponto que defendo é o registro voltar a ser único, sem a necessidade de renovação periódica, pois isso aparenta ser mais uma coação para forçar as pessoas a desistir de ter sua arma legal e partir, então, para a ilegalidade.

  22. Vagner Albuquerque
    23 de novembro de 2013 at 20:02

    Totalmente contra o desarmamento, o estatuto do desarmamento e uma piada, estão fazendo de tudo pra desarmar o cidadao de bem.

  23. Ronaldo R de Oliveira
    25 de novembro de 2013 at 19:48

    Olá Gasparello. Não consigo entender este estatuto do desarmamento. Desarma o cidadão de bem e estabelece regras draconianas para impedí-lo de adquirir uma arma. Com estatuto ou sem estatuto a bandidagem continua adquirindo armas e ainda tem a segurança de que, se entrar numa residência vai encontrar uma família totalmente a sua mercê sem possibilidade de defesa, resta ao pai de família dizer ao meliante: “eu sou da paz” que ele irá embora numa boa. Há quem acredite nisso. O estatuto do desarmamento alcança eficazmente o cidadão de bem, para garantia do bandido. Deu para entender minha opinião se sou contra ou a favor do desarmamento.

  24. Ivan Silva
    10 de dezembro de 2013 at 23:17

    Galera abençoada.
    Adoro armas e amo a doutrina militar.

    Sou a favor do desarmamento dos sem registro, mas MUITO a favor do porte de arma sob regime de fiscalização periódica.
    Creio que se houvesse pessoas legalizadas e honrosas com arma de fogo não teria mos tanta criminalidade, pois com resistência o mal elemento iria pensar mil vezes antes de anunciar um assalto. MAS, para tal permissão, o código penal deve mudar integralmente (atualizar e projetar nosso futuro), assim como a constituição que é de uma realidade totalmente diferente da qual vivemos, e isso que torna nossa sociedade tão pobre e sem atitude, pois, a cultura instalada é pressionada por essa falha.
    Enfim, temos que mudar muito para melhorar muito.
    abraço.

  25. daniel gaspri
    3 de janeiro de 2014 at 02:52

    sou contra o desarmamento… pois acredito que trata-se de equilibrar as forças, e vou mais alem… comparo o porte a carta de motorista, onde pessoas não instruídas, concientizadas e treinadas causarão incidentes. já incidentes envolvendo crianças, é sempre a mesma historia… o pai esconde a arma municiada e trata o assunto como tabu em casa… obviamente a criança curiosa fará a descoberta por conta própria e nesse ponto poderá ser tarde… já em países onde arma é cultural, tipo EUA, as crianças são instruídas, concientizadas e treinadas e por isso o índice de incidente é expressivamente menor.

  26. Alan Aragão Nunes
    28 de janeiro de 2014 at 22:13

    Gostaria primeiramente de pedir cuidado com as afirmações, países de política de esquerda via de regra permitem o porte e compra de armas, Cuba por exemplo permite que qualquer maior de 18 possua arma de pequeno calibre, após certa idade libera-se outros calibres. Vamos pensar fora do escopo porque a esquerda de verdade defende o direito de você ter sua arma…

  27. Orlando Souza
    16 de julho de 2014 at 21:23

    O testo abaixo diz por si tudo:
    A arma de fogo é o único instrumento que coloca em pé de igualdade uma mulher de 50 Kg e um assaltante de 105 Kg; um aposentado de 75 anos e um marginal de 19, e um único indivíduo contra um carro cheio de bêbados com bastões de baseball.
    A arma de fogo remove a disparidade de força física, tamanho ou número entre atacantes em potencial e alguém se defendendo. Há muitas pessoas que consideram a arma de fogo como a causa do desequilíbrio de forças. São essas pessoas que pensam que seríamos mais civilizados se todas as armas de fogo fossem removidas da sociedade, porque uma arma de fogo deixaria o trabalho de um assaltante (armado) mais fácil. Isso, obviamente, somente é verdade se a maioria das vítimas em potencial do assaltante estiver desarmada, seja por opção, seja em virtude de leis – isso não tem validade alguma se a maioria das potenciais vítimas estiver armada.
    Quem advoga pelo banimento das armas de fogo opta automaticamente pelo governo do jovem, do forte e dos em maior número, e isso é o exato oposto de uma sociedade civilizada. Um marginal, mesmo armado, só consegue ser bem sucedido em uma sociedade onde o Estado lhe garantiu o monopólio da força.
    Há também o argumento de que as armas de fogo transformam em letais confrontos os que de outra maneira apenas resultariam em ferimentos. Esse argumento é falacioso sob diversos aspectos. Sem armas envolvidas, os confrontos são sempre vencidos pelos fisicamente superiores, infligindo ferimentos seríssimos sobre os vencidos.
    Quem pensa que os punhos, bastões, porretes e pedras não constituem força letal, estão assistindo muita TV, onde as pessoas são espancadas e sofrem no máximo um pequeno corte no lábio. O fato de que as armas aumentam a letalidade dos confrontos só funciona em favor do defensor mais fraco, não do atacante mais forte. Se ambos estão armados, o campo está nivelado.
    A arma de fogo é o único instrumento que é igualmente letal nas mãos de um octogenário quanto de um halterofilista. Elas simplesmente não funcionariam como equalizador de Forças se não fossem igualmente letais e facilmente empregáveis.
    Então, a maior civilização é onde todos os cidadãos estão igualmente armados e só podem ser persuadidos, nunca forçados.

  28. folha larga
    7 de janeiro de 2015 at 00:20

    sou muito a favor da posse da armas de fogo nas residencias…
    sou contra o porte de arma por achar que quem deve estar armado nas ruas são os policiais
    e acho q o brasileiro infelizmente não tem cultura pra andar armado.

  29. marlon
    8 de fevereiro de 2015 at 15:59

    Sou muito a favor do armamento, toda essa tatica de guerrilha serve apenas no proposito de tirar o poder do povo; pense em um bandido na rua prestes a assaltar alguem sabendo que muitos por perto podem estar armados, acha mesmo que ele ira arriscar, muitos governantes tem a intenção de dar poderes a bandidos e isso é fato, a venda de armas militares ha bandidos é um mercado que cresce no Brasil,querem que o povo sendo mais quantitativo que os militares não tenham armas, eles tem medo da repreenssão caso façam besteiras como estao fazendo e de não conseguirem conter a população.
    nos temos o direito de nos defender e não deixar que nos controlem como gado ou praga, tudo isso ja foi visto em grandes revoluções na historia e esta acontecendo de novo, por isso temos que ser justos e honrados coisa que ainda falta muito na cultura brasileira mas que tambem não é ensinada ou encorajada pelos nos digamos assim “lideres”. obs: obrigado pelo espaço para o desabafo…

  30. Vinicius Dutra Gomes Pinheiro
    31 de agosto de 2015 at 15:09

    Ontem minha mãe estava sozinha em casa e viu um boné vermelho do lado de fora forçando o portão. correu para fechar as portas e janelas e não viu mais o homem. Cinco minutos depois o vigia da rua achou o portão aberto e entrou. Ficaram umas sandálias vermelhas perto da porta de entrada. A polícia foi chamada, mas o homem tinha ido embora.

    Esse seria o caso próprio de um tiro “de advertência” nas oreia do meliante. Mesmo apenas com minha beeman ou a carabina 4.5 eu queria estar lá na hora.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing