Desafio em Dose Dupla Brasil – 2ª Temporada

A segunda temporada do Desafio em Dose Dupla Brasil trouxe os protagonistas Coronel Leite e Léo Rocha mais descontraídos, com novos obstáculos interessantes em solo nacional, mas os roteiros continuam forçando a barra.

Não é possível afirmar categoricamente, mas parece que até mesmo os diálogos são criados para tentar construir um possível conflito entre a dupla de modo a manter o padrão da franquia gringa, e para colocá-los em situações difíceis que talvez preferissem evitar em situações verdadeiras. Foi o que me pareceu na ilha de Marajó, ao decidirem se iriam pela praia ou encarando o manguezal. Numa das poucas vezes que concordei com o Coronel Leite, eu iria pela praia. Eu assistiria de bom grado mesmo que eles entrassem em acordo o tempo todo.

Achei interessante, na Amazônia, o Coronel Leite demonstrar como magnetizar uma agulha para improvisar uma bússola. O mesmo podemos fazer com o pequeno auto-falante do telefone celular. A parte estranha foi apontar a direção para o meio da floresta e não mostrar como se orientaram dali para frente. Quem já andou em mata fechada sabe a dificuldade que é manter a direção sem olhar para a bússola o tempo todo.

Outra coisa que achei estranha foi Léo Rocha andando tão descalço quanto Cody Lundin. Ainda não sabemos se o fez a pedido da Discovery Channel, para ficar mais de acordo com o figurino norte-americano, ou se o fez por desejo pessoal. Convenhamos que não é tão diferente quando usar Havaianas, mesmo assim é um ponto novo da segunda temporada.

Não, não sou recalcado ou arrogante, tanto é que me inscrevi no primeiro curso de Vivência do Léo Rocha, julgando que a convivência com ele será uma experiência bem interessante e produtiva. O que não posso é perder minha independência e senso crítico ao escrever. Acredito que tanto Léo Rocha quanto o Cel. Leite sejam muito bem preparados para superar as dificuldades em casos reais, só falta a produção explorar melhor o conhecimento da dupla.

Devido à grande equipe envolvida e aos altos custos para a produzir um programa destes, acredito que os roteiros sejam um mal necessário para as coisas andarem mais ou menos de acordo com o tempo disponível para as filmagens, mas poderiam dar um pouco mais de atenção neste aspecto.

É impossível agradar a gregos e troianos, mas acredito que as críticas sejam construtivas, de modo a termos produções em solo nacional mais de acordo com as expectativas dos brasileiros, e não dos americanos. Entre erros e acertos, torço pela dupla e por outras temporadas!

Leia também:

 

 

23 comentários para “Desafio em Dose Dupla Brasil – 2ª Temporada

  1. Ysrael
    5 de setembro de 2014 at 20:45

    Esse blog poderia postar os episódios deles, ia ser muito bom

  2. Delano Machado Gonçalves
    7 de setembro de 2014 at 17:46

    Gasparello,

    Eu também fiquei muito curioso quanto a este comportamento do Leo Rocha de andar descalço tal como Cody Lundin. Depois, o que me deixou mais intrigado ainda é o fato do Leo Rocha preferir comer frutos do mato ou larvas do que apreciar uma carne de caça, tal como Cody Lundin. Seriam estas semelhanças é uma mera coincidência?
    Apesar de tudo, gosto de assistir ao programa.

    • José Luciano Gasparello Filho
      8 de setembro de 2014 at 09:30

      Acredito que o Léo seja realmente vegetariano. O resto, talvez seja parte do roteiro. Se eu estivesse no lugar de um deles seria bem provável que eu seguisse as opiniões do meu empregador durante as filmagens, por isso não os culpo, só faço minhas observações de acordo com as coisas que me saltam aos olhos!

      Obrigado pela participação!

    • Fabio Vieitas Marques
      28 de dezembro de 2016 at 17:58

      Léo Rocha é meu primo e posso dizer sobre ele. Ele não come carne vermelha e fica descalço o tempo inteiro. Posso mandar fotos nossas de convivência. Seu solado é todo calejado – chega a ser feio. “Leonardo, chinelo estraga o pé”, dizia seu “pai” da tribo. Te Cody tem técnicas primitivas. Leo Rocha tem tecnicas indígenas.

  3. Israel Barcaro
    17 de setembro de 2014 at 14:04

    Gasparello e leitores,

    Acredito que o comportamento dos dois é 100% orientado pelos produtores. Mais isso já era de se esperar, uma vez que para ter audiência tem que ter um toque “Hollywoodiano”.

    Porém, continuo assistindo e apoiando a parceria.

    (Também queria dizer que sou fã do seu trabalho, já busquei muitas informações no seu site que foram muito úteis, como amarrações e orientação. Continue sempre assim)

  4. Fábio
    7 de outubro de 2014 at 01:30

    Isso é um programa de televisão. É entretenimento. Não é documentário ou reality show mesmo.

    Acredito que comem bem, dormem bem, tem água a vontade em todos os dias de filmagem. Para mim não passa de simulação em tudo. Mas mesmo assim se aprende técnicas bacanas. Não é demérito algum, é simplesmente televisão. E tem que entrar na magia da televisão para assistir.

    Muito fácil de perceber pela posição de câmeras e posição deles que é bastante dirigido.

  5. luizete
    11 de outubro de 2014 at 23:36

    Quero me comunicar com Léo Rocha, como faço? quero seu email por favor.Obrigado

  6. ALCIDES GASTALDO
    28 de outubro de 2014 at 23:21

    Perdoem minha opinião, mas acho a Imitação brasileira MUITO CHATA.
    Dois personagens que não se toleram, faz parte de um roteiro, situações hilárias, também parte de um roteiro. Dois chatos na verdade. Um viveu no meio dos Indios e não come carne de caça…. ABSURDO!!! O outro muito chato também pensa que engana todo mundo? Achou espingarda de cartucho na mata, caça Perdiz no cerrado, kkkkkkkkkkk RIDICULO!!!
    Assistam a versão Americana que é muito melhor!!!

    • Fabio Vieitas Marques
      28 de dezembro de 2016 at 18:03

      “Um viveu no meio dos Indios e não come carne de caça…. ABSURDO!!!”

      Porque???

      Acha realmente que os índios sao apenas uma tribo???

      Temo índios vegetarianos – caso do Léo – canibais e carnívoros….

  7. Paulo Itamonte
    29 de outubro de 2014 at 10:11

    Falando nisso me parece que o Cel. Leite esta usando agora um facão Ricardo Vilar modelo Sussuarama. Isso confere?

  8. Hamblam
    19 de novembro de 2014 at 03:12

    Rs. O povo é muito crítico. Eu me divirto com leo e leite. Embora prefira mil vezes ver o Cody, que infelizmente foi demitido do Discovery

  9. Sandra R. Cuqui
    5 de dezembro de 2014 at 01:44

    Fala sério,por isso esse País é o paraíso da falsificação,pois tem gente que troca o nacional pelo estrangeiro. Lógico que o programa Dose Dupla Brasil é entretenimento,mas é interessante ver algumas técnicas de sobrevivência que realmente podem ser úteis.Acho a versão americana irritante com aquele grandalhão se achando,sem falar na ignorância dele.Prefiro me divertir vendo vendo coronel Leite Leite e o Léo Rocha , fazendo as mesmas coisas mas com um certo bom humor,o que é bem brasileiro.Se é montado ou não que diferença faz? Por acaso o dos americanos é verdadeiro?

  10. Marciacristinadegodoi
    15 de dezembro de 2014 at 15:05

    Eu sou apaixonada pelo programa
    Se e combinado ou não
    Isso não me importa
    E um programa que ensina varias tecnicas de sobrevivencia
    Eu gosto dos dois participantes
    Eles são nota mil

  11. Creuza Maria de Jesus Vieira
    26 de janeiro de 2015 at 17:34

    Boa tarde
    Olha sendo imitação ou não, o programa é muito bom pois nos ensina muitas coisas boas noa mostra prte do nosso País que muitos não tem oportunidade de conhecer e o mais importante, nos ensina a aceitar a adversidade, a conviver com o outros com qualidades e defeitos o que no fim um salva o outro e que trabalhando em conjunto o resultado é maravihoso.
    Gostaria de saber como entrar em contato com eles.
    É possível.

  12. ROSA MARIA
    28 de janeiro de 2015 at 14:54

    Adoro ver a dupla Léo e Leite. Eles são ótimos. Existem muitas técnicas interessantes. Gostaria de ver
    novos seriados. Estão repetindo muito.

  13. angelo
    31 de março de 2015 at 22:49

    amigos, em que episódio e temporada está esse programa?
    ninguem aguenta mais assistir essa repetição de episódios o tempo todo!
    parece que gravaram 5 episódios apenas, porque já vi todos umas 10 vezes cada, e toda semana repete os mesmos.
    mais criatividade por favor!!

  14. Émerson
    5 de junho de 2015 at 01:07

    Gasparelo,

    Tive a oportunidade de participar com minha esposa do primeiro curso de sobrevivência com o cel Leite (Ilha Secreta), e pelo que percebi as divergências entre os protagonistas do Desafio em Dose Dupla Brasil não são só “cena”… kkk

    Bom, são abordagens bem diferentes (vivência e sobrevivência) e claro, há uma certa “disputa” pela saída mais adequada para cada desafio. Mas, como você, acho muito legal o programa e estou esperando a terceira temporada!

    O cel Leite é uma figura extremamente agradável e profissional em seus conhecimentos e técnicas, mas sem aquele militarismo primário. Espero conhecer o Leo também, pois me interesso muito no conhecimento nativo.

    Saudações mateiras!

    • José Luciano Gasparello Filho
      5 de junho de 2015 at 14:08

      Eu queria ter feito o último curso do Coronel Leite. Tentei entrar em contato para ver se conseguia uma bolsa em troca de divulgação. Como não tive resposta, acabei não tendo tempo hábil para pagar pelo curso. Tenho certeza que o curso é bacana!

      Fiz o do Léo Rocha e indico a experiência! A abordagem é bem diferente, não espere muitas técnicas de sobrevivência com o Léo, a abordagem dele é outra.

      ABraço

  15. 11 de setembro de 2015 at 15:02

    Como eu conheço bem a região do Marajó, Fiquei decepcionado com o epsódio no Marajó. A impressão que eu tive foi que eles estavam com pressa para acabar com o episódio. o fato de não ensinarem a coletar e consumir o TURU foi a gota dágua! O turu é uma fonte de proteinas indispensável àqueles que um dia se perderem nos mangues do norte do país. Também esperava que eles usariam a mumbaca para fazer fogo de modo primitivo, mas acho que eles não sabem nem da existência dessa palmeira. Eu duvido que o Leite tenha a experiência em sobrevivência na Amazõnia como ele já disse ter! A não ser que tenha aprendido com os gringos e não com quem realmente sabe o que é sobreviver na floresta Amazônica, que são as populações nativas.
    Pra mim, essa decepção tornou os outros episódios meio “mascarados”.

  16. aluisio consolação santo
    2 de dezembro de 2015 at 14:57

    Estou amando este programa de realidades,etc.

  17. Jean Carlo Gomes
    2 de fevereiro de 2017 at 19:00

    Bem ruim, o episódio dá Patagônia Argentina quando foram fazer o abrigo foi uma piada…. na minha opinião ridículos, desculpe…Nada a ver escoteiros..

    • Jean Carlo Gomes
      2 de fevereiro de 2017 at 19:11

      Olha não levem a mau, parecem dois adolescentes acampando no quintal de casa ruim mas muito ruim. Ei vocês, tendo um tronco e uma lona, faço uma mansão em 10 minutos. Patagônia Argentina foi piada, que vergonha pro exército brasileiro ….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing