Artes Mateiras e a preservação do meio-ambiente

Não me considero um praticante de bushcraft, mas vez ou outra escrevo sobre o tema por julgar pertinente. Com a popularização das artes mateiras é importante cada vez mais nos preocuparmos em dar o exemplo na preservação do meio ambiente. Imagine que exista uma pequena propriedade exclusivamente destinada à prática do bushcraft e que esta propriedade é visitada todos os finais de semana por várias pessoas para a prática das artes do mato. Quase todos os frequentadores decidem construir algo, seja uma cama de mato, um tripé, uma mesa, etc. Outros começam a recolher lenha, do chão, para fazer fogueiras em um local longe da vegetação nativa e destinado à esta atividade. Ainda fazendo um exercício de mentalização, imagine que, em um certo dia, a lenha disponível irá acabar, alguns galhos das árvores começam então a serem quebrados para alimentar uma simples fogueira. Com o descarte da madeira utilizada a cada construção de um móvel artesanal, em breve não restaria matéria-prima adequada para tal atividade. Este é um exemplo simples, mas se você fizer um pequeno esforço, conseguirá visualizar que, em pouco tempo, uma pequena área natural pode ser depredada de forma que a recuperação seja muito lenta. O uso de plantas em vias de extinção, a construção de abrigos, camas de mato, tripés e outros artefatos devem sempre serem feitos de forma criteriosa.

Em um dos meus vídeos, mostro como conseguir cordas naturais com raízes de árvores (em tempo, o vídeo foi realizado em uma área particular e a árvore foi devidamente preservada). Tomando como exemplo este vídeo, imagine que esta prática fosse constante neste local e que mais pessoas participassem das atividades. É fácil perceber que o equilíbrio entre o mato e o mateiro poderia entrar em desarmonia. Por outro lado, como conseguir adquirir certas habilidades sem nos utilizarmos dos meios naturais? A diferença entre a teoria e a prática é imensa!

Perto de onde efetuo minhas práticas mateiras existe um taquaril. Eu mantenho algumas taquaras cortadas e escondidas no mato para que eu possa praticar a construção de camas de mato, tripés, entre outras construções. Tenho conseguido reutilizar as mesmas taquaras sempre que vou lá. Esta já é uma dica de preservação que pode ser seguida. A construção de móveis mateiros é algo que pode ser praticado mesmo em casa sem a necessidade de matéria-prima natural, basta praticar a confecção de certas amarras utilizando como base alguns cabos de vassoura.

Percebam que a linha entre uma atividade que dependa da natureza e a depredação do meio ambiente poderá ser um tanto tênue. Tenha em mente que a ideia deste artigo é a de chamar os praticantes das artes do mato para serem exemplos na união das atividades mateiras e preservação do meio-ambiente. Se tivermos um ponto de vista radical deveríamos acabar até mesmo com as atividades escoteiras, o que seria um atentado contra uma tradição tão importante e que muito colabora com a preservação do meio natural. Se um dia os homens forem privados de andar no meio do mato, certamente nos afastaremos dos ideais de preservação, uma vez que não teríamos como conhecer todo o esplendor e importância da mãe natureza. Tenho certeza que as atividades mateiras têm despertado muitas pessoas para preservar o que ainda nos resta de fauna e flora. Para preservar, é importante incentivar cada vez mais as atividades que mantenham um contato íntimo com o meio-ambiente para que as pessoas possam vir a se envolver com a grandiosidade das belezas naturais, vindo a preservá-las.

Para que possamos preservar áreas selvagens a fim de desenvolver habilidades mateiras, devemos adotar um manual de boas práticas para a preservação do meio ambiente. Apesar de não derrubar nenhuma árvore, já estou plantando árvores na região particular onde realizo minhas atividades mateiras, sei de muitos mateiros que fazem o mesmo. Mais do que ninguém, pretendo preservar e ampliar as áreas verdes do local. Sem elas, não poderia desenvolver minhas habilidades. Outra coisa que podemos e devemos fazer é coletar o lixo encontrado em áreas onde praticamos nossas atividades, mesmo que este lixo seja produzido por terceiros.

Na foto acima, o Mestre do Mato Giuliano Toniolo recolhe e lixo de terceiros.

É importante salientar que de forma alguma eu praticaria atividades mateiras em áreas de preservação ambiental, nestas áreas, o importante é apreciar a natureza e seguir as trilhas existentes. Quem pratica atividades constantes junto à natureza, geralmente são pessoas conscientes e que procuram proteger os locais onde se divertem.

Com este texto não pretendo radicalizar ou criar polêmica, mas apenas plantar a semente da preservação para evitar exageros desnecessários no aprendizado das técnicas ancestrais de sobrevivência.

As riquezas naturais de nosso país vêm sendo dizimadas desde o descobrimento, mas, nos últimos anos, com o crescimento populacional e com o desenvolvimento da agricultura e pecuária de escala, o ritmo de desmatamento acelerou, por isso devemos fazer a nossa parte, por menor que seja a nossa contribuição. Devemos levar em consideração que uma árvore de bom tamanho leva muitos anos para crescer, mais tempo até que a idade que um praticante das artes mateiras pode ter de vida, cortar uma árvore para qualquer fim não é um bom exemplo. Tenha em mente que os tempos mudaram, e os esforços para preservação devem ser maiores que antigamente. Todo o cuidado com a preservação ainda é pouco, tendo em vista que nos beneficiamos com a preservação do meio ambiente. Sem áreas selvagens disponíveis não poderíamos praticar técnicas mateiras a contento.

Vá para o mato, procure conhecer as plantas ameaçadas de extinção de sua região, plante árvores nativas quando possível, colete o lixo seu e de terceiros, reaproveite matéria-prima para móveis mateiros  e chame seus amigos para participar de suas atividades, afinal, o contato com a natureza é um importante meio para conscientização da preservação do meio-ambiente. Dê o exemplo!

Leia também:

 

3 comentários para “Artes Mateiras e a preservação do meio-ambiente

  1. Léo lima
    12 de novembro de 2012 at 23:10

    Excelente texto! Realmente é um ponto que precisa ser analisado por todos os praticantes das artes mateiras… Como praticar nossas atividades sem contribuir com a degradação do meio ambiente???? Essa é uma questão que deve ser pensada e muito bem pensada!

  2. 19 de novembro de 2012 at 15:56

    Parabéns, texto de qualidade!
    Realmente precisamos preservar o que ainda nos resta.

  3. Peterson
    22 de novembro de 2012 at 14:38

    Gasparello,

    Bacana seu texto e de muita importância. Tem gente que gosta de praticar atividades ao ar livre, mas a primeira coisa que faz ao pôr o pé no mato e cortar um galho ou uma árvore pra testar uma faca, um machado ou o quer que seja. Fica a dica pessoal, vamos preservar pra sempre podermos visitar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing