Barbatimão


Esta árvore chamada de barbatimão (Stryphnodendron adstringens) é muito comum no Cerrado, sendo mais encontrada nos estados de Minas Gerais, Goiás, Bahia, São Paulo, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Possui propriedades medicinais há muito conhecidas pelas populações indígenas e habitantes das regiões rurais.

A indústria farmacêutica também está descobrindo a riqueza da flora nacional. Esta planta possui propriedades cicatrizante, bactericida e fungicida e já é utilizada para a produção de alguns remédios. Inclusive, recentemente, incluí um remédio a base de barbatimão em meu kit de primeiros socorros.

O uso interno por intermédio de chás é um tanto controverso, uma vez que a ingestão de grandes quantidades pode levar à gastrites e intoxicações. As sementes são extremamente tóxicas e alguns estudos apontam a morte de abelhas ao visitar as flores do barbatimão atrás de pólen.

O uso externo é o mais popular e também o mais explorado pela indústria farmacêutica. Você pode usar de duas formas. A primeira delas é mergulhar um pouco de casca picada em água morna, sendo que esta água poderá ser empregada em gargarejos, banhos e aplicadas em algumas feridas. A segunda forma é cortar um pedaço de casca, que irá liberar uma espécie de resina. Em casos extremos, onde você não tenha outra solução, esta resina poderá ser aplicada diretamente em pequenos machucados, como por exemplo, um ferimento com anzol ou um pequeno corte.

Esta árvore também é conhecida como “árvore da virgindade”. Quando estava mostrando algumas plantas para algumas pessoas que me auxiliam a identificar as espécies do Cerrado, ao mostrar algumas folhas e galhos do barbatimão eles deram uma risada discreta e tentaram manter a compostura, mas, intrigado, insisti em saber o porquê das risadas. Então, meus dois “consultores rurais” me informaram que a planta é utilizada pelas moças da região para aplicar na vagina afim de “apertá-la”. Realmente, esta planta também tem esta característica, mas é utilizada, inclusive, como método natural para limpeza íntima.

Segundo a Wikipédia, o barbatimão também tem propriedades abortivas: “mulheres que não queriam engravidar lavavam os órgãos genitais com decoto da casca e das folhas, desta forma provocavam aborto nas primeiras semanas“. O mesmo pode acontecer com o gado que ingere os frutos em épocas de escassez de alimentos.

Há algum tempo procurei por alguma substância que pudesse substituir a soda cáustica na fabricação de sabão caseiro. Foi uma boa surpresa descobrir que as cinzas da casca do barbatimão produzem uma substância escura chamada decoada, útil para fazer sabão!

É importante salientar que muitas pessoas conhecem por barbatimão várias outras plantas com folhas parecidas, porém, sem as propriedades do barbatimão-verdadeiro. Você pode ter a certeza que a árvore que está utilizando é o barbatimão-verdadeiro, pois o cerne logo após a casca é avermelhado, portanto, de fácil identificação. É uma planta muito muito útil de se conhecer quando falamos em atividades mateiras, principalmente em regiões de Cerrado.

Há estudos sugerindo que o barbatimão é eficiente para neutralizar o veneno da surucucu.

As fotos e um pouco do que está escrito aqui você também confere na Wikipédia:  http://pt.wikipedia.org/wiki/Barbatim%C3%A3o-verdadeiro

Sobre o veneno da surucucu: http://www.d24am.com/amazonia/meio-ambiente/pesquisadores-no-rio-de-janeiro-usam-planta-medicinal-brasileira-contra-veneno-da-surucucu/3433

 

 

5 comentários para “Barbatimão

  1. Azor
    23 de outubro de 2012 at 19:35

    Olá, Gasparello. O caule que aparece na foto 3 é muito diferente do caule da foto 1. Será que está certo? Parece mais o caule do angico. Você já encontrou essa planta no cerrado e comprovou ser assim?
    Obrigado.

    • José Luciano Gasparello Filho
      23 de outubro de 2012 at 19:44

      Fiquei em dúvida também sobre a casca, que provavelmente não é da mesma árvore da primeira foto. No livro Árvores Brasileiras, de Harri Lorenzi, a foto do tronco não se parece tanto quanto das espécies corticeiras, mas lembra esta foto da Wikipédia.

      Das árvores que vi no Cerrado, as cascas variam um pouco, se está próximo da água, é de um jeito, se está longe de água e em local que pega fogo constantemente, as cascas são diferentes. Da próxima vez que viajar pretendo fazer um vídeo ilustrar melhor.

  2. Alex Lima
    4 de novembro de 2012 at 14:55

    Gasparello,
    bom dia

    No site do programa “Um pé de que” (www.umpedeque.com.br/site_umpedeque/arvore.php?id=693), da querida Regina Casé, tem uma reportagem bem interessante sobre o Barbatimao.
    Quando a arvore é jovem, o caule parece mais liso, como o da primeira foto e fica bem rugoso quando ele vai envelhecendo.
    Vale a pena ver o video.
    Abraço
    Alex.

  3. Delurdes A. Silva
    21 de fevereiro de 2013 at 18:59

    Boa tarde!
    Achei super interessante algo substituir a soda para
    fazer sabão.o meio ambiente se beneficia muito com isso,
    gostaria de saber como faz.(receita )essa mistura para substituir a soda. Se alguém puder ajudar, agradeço.
    Abração

    • José Luciano Gasparello Filho
      21 de fevereiro de 2013 at 19:41

      Não testei para saber se a substituição é realmente efetiva. O problema de fazer este teste é que os pés de barbatimão da propriedade onde filmo são bem escassos, não me animo em fazer cinzas de uma árvore tão importante para fazer sabão. Mas a possibilidade existe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

WP-SpamFree by Pole Position Marketing