Aventura solitária de caiaque no Paraná

Ontem, o nick de um novo inscrito em meu canal me chamou a atenção: claudio naufrago. Me deparei com o vídeo de uma aventura de caiaque parecida com uma que planejo fazer um dia, mas em meu caso, pretendo descer um rio por alguns dias. Ele remou no litoral paranaense por vários locais, alguns com o mínimo de civilização.

Para você ter ideia da travessia, certa vez, eu, meu pai, meu avô e meu tio, saímos de Pontal do Paraná em direção à Ilha do Mel com um barquinho de 4 metros, desses para navegar em rios, e um motor de popa de 15HP. A travessia foi tranquila no começo, mas ao avançar mar adentro em direção à Ilha do Mel, pegamos um mar bem agitado. Quando atravessávamos um canal por onde transitam navios com destino ao Porto de Paranaguá, chacoalhamos muito, com muitas ondas no caminho. Não tenho medo de mar, peguei onda por muitos anos e até que sou um bom nadador, mas a experiência de virar o barquinho tão longe da praia não seria muito agradável e, apesar dos coletes salva-vidas, seria algo bem perigoso. Chegamos sãos e salvos à Ilha do Mel, mas nunca repetiríamos a travessia, não num barco tão pequeno!

Esta minha pequena experiência serviu para ilustrar o quanto deve ter sido emocionante a aventura do Claudio Náufrago! Só não gostei quando ele reclama do cabelo incomodando… Pô, aproveita o cabelo que isso não é pra todo mundo!

Segue um pouco da viagem no vídeo abaixo:

Acompanhe o blog deste aventureiro: http://www.claudionaufrago.blogspot.com.br/

14 comentários para “Aventura solitária de caiaque no Paraná

  1. Guto Vilaça
    16 de outubro de 2012 at 18:53

    Parabéns ao corajoso aventureiro e ao blog pela publicação.

  2. Robson Santos
    16 de outubro de 2012 at 19:50

    Muito legal !
    Domingo retrasado tive a oportunidade de andar de caiaque no Lago, aqueles caiaques que ficam para alugar na ponte JK.
    Gostei muito e pretendo adquirir um para praticar no lago.

  3. Gasparello
    16 de outubro de 2012 at 20:01

    Caiaque é muito bom, já tive um, há muitos anos!

  4. 17 de outubro de 2012 at 12:07

    Ola Gasparello, legal você ter colocado meu video aqui no site! (obrigado, sinal que deve ter aprovado)
    O video (montar o video) é como a gente pode se divertir com uma viagem mesmo depois de acabada, depois do vídeo não tem mais jeito, só o inicio da preparação da proxima viagem mesmo é que pode manter o animo do sujeito.
    Estou dando uma olhada nos site e canal Tocandira aos poucos, tem bastante informação aqui. Parabéns.
    Se ainda tem vontade de viajar de caiaque depois a gente conversa, moro aqui na beira da água na frente de Iguape SP e estou pensando em comprar mais um justamente para levar junto filhos e amigos. (quem sabe umas modelos também)!! (docê ilusão)
    O trecho que você remou com teus parentes eu não tive coragem de fazer, (foi num barco maior) porque esta foi minha primeira vez de caiaque e não tive “peito” (juizo) de cruzar com aqueles navios monstruosos (que eu nunca tinha nem visto de perto).
    Quando cheguei em casa ja estava mas espertinho e até daria para encarar, mas isso só uns 230 Km depois.
    Quanto aos cabelos, tenho dois irmão com 4 e 9 anos menos que eu que também são carecas. Eu tenho cabelo (branco) pra caramba sou careca “tingido”, mas ja faz mais de 10 anos que corto com “gilete” a cada dois ou três dias e nem penso em deixar crescer.
    Chega de prosa, de novo obrigado, até mais!

    • José Luciano Gasparello Filho
      17 de outubro de 2012 at 12:31

      Você deve ter estudado o mínimo sobre marcas e modelos de caiaques antes de se aventurar por aí. Eu andei pesquisando e só encontro daqueles modelos de plástico, bem pesados, porém populares. Estes serviriam para uma expedição ou você tem outras dicas? Não quero enfrentar rios caudalosos, pretendo passear por uns dias rio abaixo, acampando onde for possível. Sequer sei quando esta aventura será possível.

      Valeu por prestigiar o site!

  5. 19 de outubro de 2012 at 03:41

    Ólá Gasparello!

    Conheço pouca coisa de caiaques mas o que sei é que para navegação em rios se usam modelos com cascos mais curtos, que são os mais manobráveis, geralmente com casco de fundo arredondado, tornando-os menos estáveis, com materiais que podem ser o plástico, fibra de vidro ou Kevlar. Para o mar o modelo de caiaque é mais longo, fundo do casco é chato, com isso torna-se menos manobrável mas mais estável e de deslocamento facilitado.

    Existem alguns modelos de caiaques infláveis também, estáveis e muito leves, mas aqui no Brasil são poucas opções nessa linha. Estes dias vi até um caiaque feito com garrafas PET reaproveitadas, um projeto muito interessante.

    Abraço!

    • José Luciano Gasparello Filho
      19 de outubro de 2012 at 11:38

      Getulio,

      Motivado pela aventura do Cláudio, andei pesquisando algumas marcas e modelos. Vi muitos modelos de marcas como Brudden Náutica, Lontras e os infláveis da Sevylor. São modelos bem interessantes: Explorer Fishing, Flying Fishing, Hunter Fishing, Orca e Barracaduda. De todos os modelos que a gente encontra no Brasil, gostei muito do Great Canoe (da Brudden), só que é muito pesado, fico imaginando ter que carregar uma canoa dessas pelo meio do mato até um local bom para acampar!

      Dos infláveis, os que mais gostei foram os Pointer K-1 e K-2, só não confiaria neles para uma aventura mais longa.

      De todos, o que mais gostei até agora foi o Flying Fishing, para uma travessia mais longa este possui lugar para os equipamentos e dá para esticar os pés! Agora tem que experimentar. Aqui em Brasília tem um cara que aluga caiaques, tanto é que o Robson já foi lá! É um bom local para ver vários modelos em ação!

      Gasparello

  6. 12 de novembro de 2012 at 21:22

    Olá Gasparello, nestes dias estou bem atrapalhado com a demolição da minha casa, por isso não estou entrando muito na net.,
    Os caiaques de plástico são os que o pessoal usa principalmente para pesca, o meu é um oceânico e acho que o mais apropriado para expedições em rios é um que é um pouco menor que não me lembro o nome, mas não sou o cara mais apropriado para falar sobre isso.
    Procure o pessoal da Igará, da Opium e da Eclipse, eles trabalham com isso e manjam muito mais que eu.
    Eu gosto mesmo é de viajar, sou tarado por uma floresta, mas não me apego aos meios, vou como der para ir.
    Abraço, depois passo de novo quando terminar por aqui.

  7. wilson neves
    31 de dezembro de 2012 at 22:32

    Excelente, dá até vontade de fazer igual. Muito bom e o Claudio é um figuraço.

  8. Miquéias Mendes Junior
    16 de abril de 2013 at 05:17

    Oi Gasparello estou impressionado com este video,sou de paranaguá a cidade que detém a parte da bahia onde a ilha do mel está situada,é realmente difícil a travessia do canal da galheta que da acesso a ilha do mel,meu avo faz um percurso inverso ele sai aqui de paranaguá todo ano e uma canoa rumo a tagaçaba,já na divisa com são paulo,é realmente muito boa esta viagem eu tenho 22 anos e já faço isso com ele a 13,é ótimo ainda mais para um caiçara como eu,poder pescar e já assar é ótimo aconselho a quem puder que conheça o litoral paranaense e o catarinense também,e temos ilhotas ótimas para acampar algumas até próximas a ilha do mel,até e aliás desculpa reviver o tópico.

    • José Luciano Gasparello Filho
      16 de abril de 2013 at 09:14

      Comentários são bem-vindos a qualquer tempo no Tocandira!
      Abraço

  9. Vivi
    4 de novembro de 2013 at 17:10

    Oi pessoal, muito legal !!!!
    Adorei o video, os relatos, comentários.
    Muito inspirador !!! rs. Deu vontade de sair remando agora, nessa chuvarada que está, rsrsrs

    Andei remando por esses dias, e estou encantada, rs. No feriado gostaria de fazer alguma trip com caiaque, talvez pelas bandas de Ilha Cardoso, Superagui, Ilha do Mel, etc. E vi que o amigo do video é de Iguape. Sabes me informar se por esta região tem local onde alugar caiaque? Pois como iremos em 4 pessoas compensa mais alugar tudo por ai do que levar o que temos e alugar o que falta. rs.
    Se tiver alguma dica…. Muito obrigada !!!

    Vivi Mar – SP
    http://www.facebook.com/vivi.mar.1044
    http://picasaweb.google.com/vivimar2005

  10. Vivi
    4 de novembro de 2013 at 17:13

    Alias, fiz um trajeto de bicicleta tempos atras: Curitiba, Graciosa, Morretes, Paranagua, Ilha do Mel, Superagui, Ilha das Peças, Ilha Cardoso, Cananeia, Ilha Comprida.
    Esse ultimo trecho a partir da ilha do mel será que é tranquilo para remar?

  11. Vivi
    4 de novembro de 2013 at 17:14

    Alias, fiz um trajeto de bicicleta tempos atras: Curitiba, Graciosa, Morretes, Paranagua, Ilha do Mel, Superagui, Ilha das Peças, Ilha Cardoso, Cananeia, Ilha Comprida.
    Atravessando de barquinho de uma para outra….

    Esse ultimo trecho a partir da ilha do mel será que é tranquilo para remar?

    Vivi Mar – SP
    http://www.facebook.com/vivi.mar.1044
    http://picasaweb.google.com/vivimar2005

Comments are closed.